Há dez anos, Telmex comprava a Embratel e impedia primeiro "fatiamento" de uma tele

Na última quarta-feira, 23, completaram-se dez anos que a Telmex, então controlada pela Teléfonos de México, concluiu a compra da Embratel Participações (Embrapar), na época uma operadora de longa distância e serviços corporativos, por US$ 400 milhões. A companhia mexicana, que chegou a considerar também a compra da Telemar, acabou adquirindo19,26% do capital total que a norte-americana MCI tinha na Embrapar, que representavam 51,79% das ações com direito a voto.

Notícias relacionadas
Foi um dos movimentos empresariais mais importantes desde a privatização da Embratel e do restante do Sistema Telebras, em 1998, pois não só permitiu ao grupo mexicano uma presença sólida no Brasil (que depois seria ampliada com a compra da Net e a consolidação das operadoras que hoje compõem a Claro) como evitou a formação de um acordo entre as concessionárias fixas locais, que planejavam adquirir a Embratel da MCI por meio do Consórcio Calais, para depois fatiar a empresa e eliminar um concorrente.

A chegada do grupo mexicano havia começado um pouco antes. A Anatel aprovou um mês antes, em junho de 2004, a venda para a Latan Brasil, empresa controlada pela Telmex, para assumir o controle da Embratel S/A, Vésper S/A, Vésper São Paulo e a operadora de satélites Star One. Todas essas empresas eram controladas pela Embrapar, por sua vez controlada indiretamente pela MCI.

Em novembro de 2004 a Telmex anunciou o lançamento da oferta pública de aquisição de ações (OPA) para adquirir a totalidade de ações ordinárias da Embrapar e paralelamente entrou como acionista minoritária da Net Serviços, na época controlada pelo Grupo Globo. Dois anos mais tarde, em 7 de novembro de 2006, a Telmex adquiriu R$ 1,68 bilhão (valores da época) em ações da Embratel, superando o limite de dois terços de ações no mercado.

Em 2010, a América Móvil assumiu o controle da Telmex, completando em 2011 a aquisição do restante das ações. Com isso, o grupo mexicano do bilionário Carlos Slim passou a deter o controle no Brasil da Embratel.

De 2004 para cá, a Embratel procurou diversificar os serviços, incorporando soluções também de tecnologia da informação voltadas a pequenas, médias e grandes empresas. De acordo com a companhia, no período foram lançados seis data centers e sete satélites, além da modernização da rede e da infraestrutura de telecomunicações. Atualmente, a Embratel oferece transmissão de dados, vídeo, Internet, serviços de satélite, telefonia local e de longa distância. Ela tem ainda ofertas de TI nas áreas de infraestrutura, gerenciamento de aplicações, soluções de segurança, data center e cloud.

No último balanço financeiro, divulgado nesta semana, a Embratel registrou receita de R$ 11,4 bilhões e lucro líquido de R$ 224,3 milhões no primeiro semestre.

Deixe seu comentário