Celular vai conectar a base da pirâmide na América Latina, diz GSMA

O celular será a ferramenta de inclusão digital para a base da pirâmide social na América Latina, aponta estudo realizado pela GSM Association (GSMA). A entidade entende que existe ainda uma grande quantidade de pessoas que não têm acesso à Internet na região porque os preços da banda larga fixa são altos ou porque sua estrutura não chega a suas casas. A tendência é que essas pessoas sejam atendidas pela banda larga móvel, com a queda nos preços dos smartphones e dos planos de dados das operadoras celulares.

No estudo publicado nesta semana, a GSMA calcula que existam 149 milhões de pessoas na base da pirâmide social de cinco países analisados: Brasil, Argentina, Equador, Colômbia e México. Essas pessoas têm receita média mensal de US$ 114 e estão distribuídas em 33 milhões de domicílios.

Na América Latina, 43% das pessoas residem em áreas cobertas por banda larga fixa mas não possuem o serviço. No caso da banda larga móvel, o percentual é de 57%. A não contratação de banda larga pode ter pelo menos uma das seguintes razões: preço alto; falta de conhecimento ou cultura do consumidor; falta de conteúdo ou aplicações interessantes para o consumidor. Na América Latina, o preço é apontado como a principal razão. No Brasil, entre as residências sem banda larga, o preço foi o motivo citado em 48% delas. No México, foi apontado por 60%.

Apesar do gap ainda ser grande, a banda larga móvel tem potencial para reduzi-lo, aposta a entidade. Ela destaca três razões: a contínua na queda dos preços dos planos de dados; a flexibilidade na tarifação (vide o plano de R$ 0,50 por dia criado pela TIM); e a acessibilidade do device (smartphones custam menos que um computador e demandam menos conhecimento técnico para serem usados).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.