Fibra digital é o futuro da conectividade

Bob Cai, presidente da Huawei para Negócios com Operadoras para a América Latina e Região

O futuro da conectividade será a fibra digital. Essa é a aposta do presidente da Huawei para Negócios com Operadoras para a América Latina e Região, Bob Cai. Nesta sexta-feira, 24, durante o Latam ICT Congress, que acontece em Cancun, no México,  o executivo falou sobre as possibilidades de crescimento desse mercado e como a companhia está se preparando para atendê-lo.

Cai lembrou que os processos de transformação digital na região cresceram 50% entre 2020/  2021, criando uma dinâmica no mercado. Com o impulso dos novos hábitos, como o trabalho remoto e as compras eletrônicas, o executivo acredita que a fibra se tornou um componente fundamental nesse processo. "Até 2026, 60% de toda a conectividade na América Latina será feita via fibra", prevê, lembrando que também o número de dispositivos conectados deve saltar de 48 bilhões para 100 bilhões até 2025.

A resposta da Huawei para este crescimento na demanda é a fibra digital que, segundo Cai, tem como características a visibilidade, inteligência embarcada e o fato de ser plug&play, além de apresentar 70% mais eficiência energética. "Sua adoção pelas operadoras pode contribuir com vendas em três cenários: integração doméstica, corporativa e com a nuvem", diz.

Notícias relacionadas

No mercado doméstico, a previsão é que o uso da fibra digital mude a vida digital das pessoas, transformando os atuais centros de entretenimento (smart TVs e consoles de vídeo games, por exemplo) em centros de serviços, isso graças à maior velocidade e menor latência. "Na América Latina, muitas operadoras já têm ofertas fiber to the home, como é o caso da Oi Brasil, com o FibraX", ressalta.

Para o mercado corporativo, as vantagens dependem do tamanho da empresa. As pequenas e médias podem se beneficiar com o uso de apenas uma fibra para receberem todos os serviços que necessitam, enquanto as grandes corporações podem garantir conectividade constante em ambiente críticos, onde um minuto de interrupção pode significar milhões de prejuízo.

Para a integração à nuvem, Cai lembrou que, até 2025, 85% dos sistemas corporativos estarão em nuvem e que 63% das empresas utilizarão ambientes multicloud. Para esse tipo de integração, a Huawei está adotando o que chama de "Cloud Express", que traz mais agilidade na implementação e maior velocidade no acesso. Ele citou como exemplo a China Telecom, que utiliza fibra digital para conectar mais de duas mil empresas à sua nuvem e que obteve em apenas um ano o retorno do investimento feito na nova estrutura.

"Em todos os casos, o uso da fibra digital também é mais sustentável, porque ela tem um consumo de energia 86%, garantindo a redução de emissões a todos os segmentos que a utilizarem. Estamos falando aqui de mais bits, por menos watts", afirma. (* – Esta cobertura é patrocinada pela Huawei)

Deixe seu comentário