Roaming permanente não é viável, argumenta a Claro

Em resposta à proposta recente da AT&T de liberar o roaming permanente no País para destravar o mercado de IoT, o diretor executivo de assuntos regulatórios da Claro Brasil, Oscar Petersen, foi taxativo: não concorda. Para ele, permitir a utilização da numeração internacional significa a fuga da receita para uma prestadora sediada em outro país, mas oferecendo serviços no mercado brasileiro. "Me parece impensável", declarou. "E duvido que os Estados Unidos permitam uma coisa dessas – digo isso porque uma operadora americana é das principais lutadoras para implantar isso aqui", complementa, referindo-se à AT&T. Petersen sustenta também que não é verdade que impedir o roaming permanente vai prejudicar o mercado brasileiro. "Hoje já tem tecnologia para programar chips", argumenta. O executivo sugere que a AT&T se estabeleça de forma mais completa para competir em igualdade. "Venham aqui no Brasil, se estabeleça não só como TV por assinatura. Vai ver que não é fácil, tem que fazer com que empresas coloquem mais bilhões por ano", completou ele durante sessão no Painel Telebrasil 2018 nesta quinta, 24.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.