Oi confirma venda de participação indireta na Unitel por US$ 1 bi

A Oi confirmou a venda de sua participação na Unitel para a Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol) nesta sexta-feira, 24. A companhia comunicou ao mercado em fato relevante que a alienação e transferência integral das ações na holding PT Ventures foi efetuada pela subsidiária indireta Africatel por um total de US$ 1 bilhão, o que na cotação do dólar desta sexta significa um total de R$ 4,19 bilhões. 

O valor total da transação é dividido em US$ 669,1 milhões pagos à Africatel pela Sonangol já nesta sexta-feira; outros US$ 60,9 milhões pagos à Africatel antes da transferência das ações da PT Ventures; e US$ 240 milhões integralmente garantidos por carta de fiança emitida por "banco de primeira linha", a serem pagos "incondicionalmente" até 31 de julho de 2020, sendo assegurado à Oi um fluxo mínimo mensal de US$ 40 milhões a partir de fevereiro deste ano. 

Ressalta-se que a Oi tem 86% da Africatel, com os 14% restante nas mãos da Samba Luxco (minoritários). Como o fato relevante se refere à venda efetuada pela Africatel, é de se esperar que a quantia destinada à Oi seja proporcional à sua participação na subsidiária – ou seja US$ 860 milhões no total.

Além de uma participação de 25% no capital da Unitel, a PT Ventures detém ainda 40% na Multitel – Serviços de Telecomunicações Lda., uma companhia que oferece soluções corporativas de fibra, 4G, VSAT, data center e consultoria em Angola. Além disso, a holding portuguesa detém direitos de crédito de dividendos declarados pela Unitel e já vencidos, além de um "conjunto de direitos" decorrentes da decisão final da Câmara de Comércio Internacional

Pelo menos até novembro do ano passado, parte desses direitos havia sido paga à Oi – US$ 33,1 milhões, referentes a dividendos dos resultados de 2005 e reservas livres dos exercícios de 2006 a 2009. Pela arbitragem internacional, a Unitel deveria pagar à PT Ventures cerca de US$ 660 milhões no total.

Além do total apurado com a venda da PT Ventures, a Oi espera também ter redução de gastos "em virtude da desvinculação com os litígios em curso", o que indica que a empresa previa mais percalços em tribunais com a Unitel. A operadora também diz que os novos recursos proporcionarão o incremento da liquidez financeira e a melhoria do fluxo de caixa – que vem sendo negativo nos últimos meses, embora a empresa tenha melhorado esse desempenho. "Além disso, a transação também contribuirá para a iniciativa das Recuperandas de concentrar seus esforços nas operações e negócios conduzidos no Brasil, no cumprimento do seu Plano de Recuperação Judicial e na maior efetividade e rapidez do seu processo de soerguimento", completa a Oi no fato relevante. 

Segundo o grupo, a operação está prevista no Plano de Recuperação Judicial e no plano estratégico de investimentos e já havia sido aprovada pelo conselho de administração, pelos órgãos societários competentes da Africatel e pelo Juízo da 7ª Vara Empresarial da Comarca da Capital do Rio de Janeiro. 

A conclusão do acordo de alienação acontece na semana em que uma das acionistas da Unitel e ex-presidenta da Sonangol, a empresária Isabel dos Santos, foi envolvida no vazamento de documentos que apontariam desvio de dinheiro da companhia de petróleo angolana. Além disso, desde dezembro a filha do ex-presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, está com os bens congelados por conta de investigação de corrupção em Luanda. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.