Preço de SMS e dados atrapalha mobile marketing

Preços altos de serviços de SMS e dados, falta de um modelo exclusivo para o mobile e a falta de consenso entre os players do mercado, como operadoras, agências, anunciantes e integradores, são as principais barreiras que impedem a decolagem do mercado de mobile marketing no Brasil. Essa foi a conclusão do debate ocorrido durante o 1º Forum Mobile Plus: Mobilidade + Negócios, evento encerrado nesta quarta-feira, 23, promovido pelas revistas TI INSIDE e TELETIME, e organizado pela Converge Eventos.
"Enquanto não forem definidos alguns pontos, ficará esse jogo de empurra-empurra e o mobile marketing não crescerá. O mobile não é só uma extensão da tela da internet. Há vários problemas culturais que o novo impõe. É preciso ser criada uma educação sobre essa nova possibilidade", apontou Antonio Bicarato, diretor de mídia on-line da Agência África.
Segundo a diretora de inteligência e marketing da Predicta, Claudia Woods, para se ter sucesso com este novo potencial de mercado, não basta apenas replicar a propaganda realizada em outros meios, como a internet, por exemplo. "Devem ser criadas campanhas exclusivas com foco no segmento móvel, levando em conta suas características, como tamanho de tela. As agências precisam entender como anunciar neste dispositivo", disse.

Notícias relacionadas
Bicarato aponta que, realmente, falta um pouco de ousadia das agências em criar campanhas exclusivas para os dispositivos móveis. "No entanto, é um inferno ter de criar conteúdos para o mobile, são diversos aparelhos diferentes e nunca se sabe quando a campanha poderá ser acessa por um e por outro não", comentou o executivo.
Uma das soluções apontadas por Bicarato é as agências passarem a desenvolver produtos para aparelhos que sejam os próximos lançamentos, ou seja, tentar conversar com as fabricantes e já pensar em soluções e campanhas possíveis nos próximos dispositivos móveis que chegarão ao mercado. Assim, quando estes chegarem nas mãos dos clientes, já existirão campanhas formatadas para serem veiculadas.
"Temos de olhar para frente. E preparar campanhas para os próximos lançamentos, levando em conta que a vida útil de um aparelho no mercado é de 18 meses", analisou Bicarato.
Outro problema enfrentado pelo mobile marketing, na opinião dos executivos, são os altos preços do serviços de dados e de SMS. "Com a queda nos preços, facilitaria o acessos das pessoas, e, assim, o mercado se expandiria", comentou Federico Pizani, chairman da MMA, ressaltando que outro ponto errado é a re-utilização da base de opt-in para as campanhas móveis. "Esta base deve ser por marca, por campanha e por meio", analisou.
Entretanto, em relação aos preços dos serviços das operadoras, a visão é um pouco menos preocupante, já que na opinião dos executivos, naturalmente, com a massificação, os serviços ainda podem vir a ter preços inferiores, pelo menos em relação à banda larga móvel. Já para os serviços de SMS, as empresas acreditam que eles podem ser mais baixos do que os atuais, o que facilitaria a penetração e a utilização deste canal para uma campanha mais intensa de mobile marketing.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.