Uber: "Nosso interesse é ser regulamentado"

Foto: Bruno do Amaral

Apesar da batalha com administrações públicas e com sindicatos de taxistas, o Uber insiste: é legal, só precisa ser regulamentado. O gerente geral da companhia no Brasil, Guilherme Telles, garante que a empresa tem tentado promover um diálogo, espelhando-se na parceria entre sociedade e setores público e privado que resultou no Marco Civil. "Temos tido reuniões com o poder público não só em São Paulo, como Brasília, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Nosso interesse é ser regulamentado", afirmou ele a este noticiário.

Por diversas vezes, o Uber se manifestou publicamente que se trata de uma empresa de tecnologia, e não vai além de conectar motoristas com passageiros. Assim, na visão da empresa, esses motoristas – chamados de "associados" – enquadram-se na Lei da Mobilidade Urbana (nº 12.587/12). "O transporte privado individual é previsto por Lei Federal no Plano Nacional de Mobilidade", diz. "O Uber não faz transporte pirata; quando se fala de pirata, é ilegalidade. O Uber é legal, o que falta é regulamentação", complementa. É o mesmo entendimento da Procuradoria-Geral da República na semana passada.

A sugestão da empresa é de aplicar algo semelhante ao que aconteceu no México, onde o Uber passou por regulamentação em julho. O governo da Cidade do México instituiu taxa anual (além de taxas por veículo e para inspeção veicular) que servirá como subsídio ao transporte público da capital mexicana. "Além de definir coisas importantes sobre motoristas e como funciona essa ligação (com a plataforma digital), é bem interessante porque cria um percentual de taxa para empresas que, como o Uber, prestam transporte privado. Isso vai ser revertido para investimento em melhoria do transporte público", explica.

No Brasil, as negociações não tem sido tranquilas. A esperança da companhia é que o tempo apazigue os ânimos e amadureça os diálogos. "É uma coisa nova, e coisas novas nunca são fáceis", explica, comparando com a chegada do Facebook ao Brasil e o papel do Marco Civil da Internet para os serviços de Internet. O gerente do Uber no País destaca que o Projeto de Lei municipal nº 349/2014, de autoria do vereador Adilson Amadeu (PTB-SP) e que visa proibir a ferramenta em São Paulo é inconstitucional e cria um ambiente hostil à inovação. "Isso é fechar a porta para empresas que ainda estariam para vir ao Brasil."

Promessa de empregos

O serviço, presente em 272 cidades do mundo, conta com cerca de 5 mil motoristas cadastrados no Brasil. A promessa é promover 30 mil novos postos de trabalho com o Uber até o final de 2016. "No momento em que estamos passando, com dificuldade de geração de emprego e com a economia e o PIB diminuindo, uma empresa vem e consegue fazer compromisso de gerar o equivalente a cinco fábricas de automóveis de tamanho médio, então pensar em proibir em vez de regulamentar não me parece o caminho que a sociedade gostaria de ver", acredita.

Como debatedor em painel do Algar Innovation Day nesta quarta-feira, em São Paulo, Guilherme Telles disse que, se "bem utilizado", o Uber permite retirar de cinco a 20 carros das ruas, reduzindo em 15% o trânsito da cidade. Justifica ainda que o serviço não se limita a bairros nobres, citando o lançamento em Parelheiros (Zona Sul da capital paulista), onde o Uber X, categoria mais barata da ferramenta, foi lançado recentemente. "Lá as pessoas andavam em média 3 km para chegar à estação de trem, mas agora que o Uber X chegou, já teve casos que as pessoas pegam e vão até o transporte público", exemplifica. "O Uber vem para somar, não para substituir ou piorar", acrescenta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.