TIM e Vivo assinam acordo para compartilhar 700 MHz e 2G

Foto: Pexels

Telefônica e TIM anunciaram a intenção de estender o acordo de compartilhamento de infraestrutura. Em comunicado enviado ao mercado nesta terça-feira, 23, as operadoras afirmam que assinaram um memorando de entendimento (MoU) com o objetivo de "iniciar discussões" sobre o compartilhamento da rede 2G em um modelo Single Grid (full sharing ou compartilhamento completo) em todo o território nacional. Além disso, também deverão compartilhar a infraestrutura de 700 MHz no 4G em cidades com menos de 30 mil habitantes, embora já deixem aberta a possibilidade de isso ser expandido "no futuro" para municípios maiores. 

Com o MoU, as empresas trabalharão agora para detalhar o plano de compartilhamento ao longo dos próximos 90 dias. Quando concluído, será submetido à aprovação das autoridades, como Anatel e Cade. TIM e Vivo reiteram que o acordo não afeta a autonomia comercial ou a gestão de clientes, "independente de qualquer acordo que possa resultar dessas discussões", e que o MoU não cria uma joint-venture ou qualquer parceria comercial ou relação formal de negócios. 

As companhias também estudam oportunidades de eficiência e redução de custos em operações e manutenção da infraestrutura – por exemplo, em energia elétrica e aluguel de sites. Da mesma forma, avaliam oportunidades de compartilhamento de redes em outras tecnologias. O documento, afirmam as teles, está alinhado com desafios relacionados à otimização de uso de energia em espaços públicos, seguindo as melhores práticas internacionais e impulsionando o processo de digitalização sustentável no País. 

Em comunicado, o presidente da TIM, Pietro Labriola, declarou que a iniciativa é "a solução industrial crucial para o desenvolvimento das telecomunicações no país, visando a introdução de novas tecnologias". Além disso, pontuou que permitirá aumentar a velocidade de implantação de redes, reduzindo o nível de custos e impactos. 

Já o presidente da Vivo, Christian Gebara, destacou o impacto para a experiência do cliente e para a otimização de investimentos. "Em um momento em que a demanda por dados cresce exponencialmente, buscamos uma melhora relevante na experiência do cliente, bem como a realocação de recursos para novas tecnologias como o 4G, 4,5G e fibra", disse. Já

Vale lembrar que TIM e Vivo já têm acordo de compartilhamento de infraestrutura em 3G, em um acordo de roaming anunciado em outubro do ano passado. A subsidiária da Telecom Italia ampliou em julho do mesmo ano o compartilhamento de rede com a Oi, usando plenamente as faixas de 1,8 GHz e 2,5 GHz em LTE no modelo de MOCN (Multi Operator Core Network), que inclui o core de rede e outras camadas. Em agosto, a TIM estabeleceu contrato com a Claro para compartilhamento de roaming em 3G, semelhante ao anunciado com a Telefônica, prevendo uma cobertura de 700 novos municípios. Além disso, a TIM tem advogado em favor do compartilhamento completo para todas as teles no País

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.