África somará receita de US$ 2 bi com pagamentos móveis em 2015

O continente africano está passando por uma transformação com o uso dos sistemas de pagamentos móveis, e como resultado é esperado que a região alcance US$ 2 bilhões em receita no final de 2015 e US$ 4 bilhões em 2018. De acordo com uma pesquisa da Juniper, divulgada nesta terça-feira, 23, o continente africano está tornando-se líder no mercado de pagamentos móveis.

A empresa de pesquisas britânica cita como exemplo um lucro de 10% com os pagamentos móveis em operadoras africanas – como a Vodacom Tanzânia e a MTN Uganda. Apenas uma das teles africanas, a Safaricom MPESA, teve uma receita de US$ 330 milhões em seu último ano fiscal. Com o resultado, ela tornou-se a empresa mais próspera em serviços de transferência de dinheiro por dispositivos móveis do mundo.

Um dos motivos para o crescimento na região seria a possibilidade de operações de transferência entre empresas de diferentes países, como a parceria da Safaricom com a MTN no corredor Ruanda-Quênia (engloba os países Burundi, Congo, Uganda, Quênia e Ruanda).

Canais de comunicação

Vale lembrar que as operações de pagamentos mobile na África se dão em sua grande maioria por mensagens SMS e USSD, ideal para celulares de baixo custo e sem a necessidade de aplicativos. No entanto, a pesquisa da Juniper ressalta que a adoção dos apps deve acontecer em médio prazo, com a crescente adoção de smartphones pela população africana nos próximos anos.

Mercados sem crescimento

A empresa britânica aponta que a baixa adoção dos pagamentos móveis em alguns mercados africanos se deve a "decisões ruins" das operadoras, como erros em campanhas publicitárias para alcançar um público-alvo. A Juniper ainda notou que o alto custo das taxas de transferência na Nigéria espantaram os clientes, e muitos acabaram usando os pagamentos móveis apenas uma vez. Assim como as taxas de retirada de contas poupança em outros mercados eram "inapropriadas" para camadas mais pobres da população.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.