Teles vão ao Supremo para mudar conselho consultivo

A Febratel (federação que congrega os maiores sindicatos patronais do setor de telecomunicações) entrou com ação no Supremo Tribunal Federal nesta quarta, 23, contra a nomeação de Ricardo Sanchez, da Abrappit (associação de pequenos provedores de Internet), para o conselho consultivo da Anatel. Trata-se de um mandado de segurança coletivo, com pedido de liminar. Basicamente, a alegação é que a Abrappit não é representativa das empresas de telecomunicações, como requer a vaga no conselho, mas sim prestadores de serviços de valor adicionado. A Abrappit, por sua vez, alega que foi a única que se manifestou tempestivamente quando o Ministério das Comunicações fez a consulta sobre a vaga (as outras associações de fato perderam o prazo) e que congrega, entre seus associados, centenas de prestadores de Serviço de Comunicação Multimídia, que é um serviço de telecomunicações. A defesa da indicação de Sanchez será feita pela Advocacia Geral da União (AGU).
Mas a disputa iniciada pela Febratel tem um bastidor mais complexo. Primeiro, porque na próxima sexta, 25, o conselho consultivo deve eleger um novo presidente, e Ricardo Sanchez é um dos candidatos. O conselheiro tem sido duro com a Anatel, e na última reunião, para avaliar o Plano Geral de Metas de Universalização, foi o único que concordou com o relatório da conselheira Flávia Lefévre pela não-aprovação da mudança no PGMU.
O conselho consultivo tem papel especialmente relevante porque o novo Plano Geral de Outorgas, que poderá permitir a fusão entre Oi e Brasil Telecom, passa pelo órgão para apreciação. O conselho consultivo não tem poder de veto, mas uma manifestação contrária pode causar repercussões negativas.

Notícias relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.