Para Orange, SDN e NFV são o futuro, mas o caminho é complexo

A operadora francesa Orange é hoje um dos casos mais avançados de operadoras a adotarem uma rede baseada em software (SDN) com serviços virtualizados (NFV), dois dos conceitos/tecnologias mais impulsionados por fornecedores e analistas de telecomunicações como tendências. Mas a própria operadora admite que ainda há um longo caminho adiante. Para Alain Maloberti, SVP da Orange Labs, a primeira observação é que adotar SDNs sem NFV não faz muito sentido, e vice-versa. "O que todos querem é serviços mais flexíveis, com menor custo, QoS (qualidade de serviço) e flexibilidade, mas chegar lá é bem mais complexo". Segundo ele, se bem adotada, uma rede controlada por software de fato pode trazer redução de custos, mas a necessidade de integrar com equipes de IT e rede também aumenta muito. "Além disso, SDNs  e NFVs não são só uma missão para equipes de TI e rede, mas para toda a equipe de serviços, para todos os processos da empresa". Ele aponta ainda dificuldades como padronização de equipamentos entre múltiplos fornecedores, interoperabilidade e protocolos abertos como aspectos essenciais (e ainda não plenamente atendidos) para que as redes definidas por software e os serviços virtualizados se tornem uma realidade. Maloberti participou esta semana do Broadband World Forum, realizado em Londres.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.