Aquisição da BrT continua a prejudicar o resultado da Oi

As despesas de integração com a Brasil Telecom, a não amortização do ágio da aquisição e o custo da entrada em São Paulo foram as razões que levaram a Oi a registrar uma queda de 71% no lucro líquido no trimestre. A operadora registrou lucro de R$ 64 milhões no terceiro trimestre de 2009, frente a um lucro de R$ 222 milhões no mesmo período do ano passado. Nos primeiros nove meses de 2009, a Oi registra um prejuízo de R$ 71 milhões, contra um lucro pró-forma de R$ 1 bilhão nos primeiros nove meses de 2008.
Alex Zornig, diretor financeiro e de relações com investidores, explica que a não amortização do ágio é uma distorção fiscal causada pelas "cinco ou seis" holdings que existiam entre a Oi e a BrT operadora, que era quem gerava o lucro fiscal. Neste trimestre, essa distorção foi de R$ 80 milhões. A amortização desse ágio começará a ser contabilizada a partir do quarto trimestre do ano.
Já a entrada em São Paulo gerou um impacto fiscal de R$ 300 milhões até setembro e o break even é esperado para o primeiro trimestre do ano que vem. Ou seja, até lá, o investimento deverá ser maior que a receita com os clientes do estado. Atualmente a Oi tem 4,5 milhões de clientes no estado, 10% de market share, segundo a companhia.

Notícias relacionadas
A sinergia com a Brasil Telecom, segundo Zornig, está 100% identificada, porém 70% de fato captada. Os outros 30%, segundo ele, vão ser captados ao longo do tempo até o final do ano. "É uma sinergia que envolve grandes investimentos na área de TI para a integração de plataformas. Estamos sofrendo as dores da integração", ilustra o ele.
Balanço
A receita líquida da companhia alcançou R$ 7,55 bilhões no trimestre, com aumento de 3,4% na comparação anual, enquanto o EBITDA cresceu 1,6% na mesma comparação, para R$ 2,36 bilhões. A margem caiu 0,5 ponto porcentual, para 31,3%.
A dívida líquida consolidada teve redução na comparação com o trimestre anterior de R$ 495 milhões e encerrou o terceiro trimestre em R$ 21,14 bilhões, representando 2,1 vezes o EBITDA recorrente dos últimos 12 meses. Zornig explica que a geração de caixa do trimestre permitiu amortizar parte da dívida, cuja redução também foi levemente impactada pela valorização do Real. Em setembro de 2008, quando a Oi ainda não havia comprado a Brasil Telecom a dívida era de R$ 9,16 bilhões.
No terceiro trimestre, a Oi adquiriu 7,5 milhões novos usuários no período de 12 meses encerrado no fim de setembro, ampliando sua base para 60,5 milhões, crescimento de 14,2% em relação a setembro de 2008. Desse total, 21,4 milhões estavam em telefonia fixa, 34,8 milhões em telefonia móvel e 4,1 milhões em banda larga fixa. Os números estão consolidados com os da Brasil Telecom, adquirida em janeiro de 2009.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.