Oi: telefonia fixa causará perdas de R$ 10 bi para o setor nos próximos anos

CEO da Oi, Rodrigo Abreu

Assim como o resto do setor, a Oi está aguardando a Anatel estabelecer as regras para a migração para o novo modelo. Até que isso aconteça, contudo, o setor de telecomunicações estaria encarando perdas "próximas de R$ 10 bilhões nos próximos anos" com capital obrigatoriamente direcionado para a telefonia fixa (STFC), segundo o CEO Rodrigo Abreu. 

Segundo afirmou o executivo durante o terceiro dia do Painel Telebrasil 2020 nesta terça-feira, 22, seriam recursos "suficientes para investimentos importantes, mas isso tudo está sendo direcionado para investimento não produtivo". O argumento do executivo continua a ser de inviabilidade econômica do modelo da concessão atualmente. 

Para ilustrar, Abreu afirma que seria necessário aumentar o preço da conta da telefonia fixa para alcançar ao menos o equilíbrio financeiro (sem perdas, mas sem ganhos). "O valor da tarifa para 'breakeven' no nosso caso seria de mais de R$ 100, o que é mais do que cobramos na fibra", declarou. 

Como agravante, afirma, há ainda a pressão nas margens operacional de lucro depois do custo de capital, citando dados da consultoria BCG. O executivo diz que os investimentos não estão retornando. "Começamos a melhorar um pouco, mas a curva ainda não está positiva, e é importante endereçar isso. Engana-se quem pensa que a pandemia foi positiva para o setor, ela também trouxe impactos graves, como aumento de inadimplência e diminuição na área móvel, apesar do aumento na banda larga fixa."

Último recurso

Neste contexto de evolução para a nova lei, o CEO da Oi propõe o modelo de "Carrier of Last Resort" (COLR, ou "operadora do último recurso" em tradução livre). Significa que uma tele é designada para prover serviços de universalização em um local carente, onde não haja competição efetiva. A regra é utilizada para serviços de telefonia fixa nos Estados Unidos, mas o contexto utilizado por Rodrigo Abreu é de banda larga. 

Outra ideia norte-americana citada pelo executivo é a implantação de um modelo de fundo como o Lifeline "com modelo de mais de US$ 88 bilhões por ano de estímulo", no qual os recursos são repassados para subsidiar implantação de banda larga e até para aquisição de equipamentos. A premissa é que, desta forma, e com liberdade para investimentos, a arrecadação resultante da expansão do acesso compense a destinação dos recursos públicos. 

Na visão de Abreu, é necessário que o País tenha "vontade política" e política econômica para permitir que o Fust tenha esse papel, conforme previsto em projetos de lei da senadora Daniella Ribeiro (PL 172/2020 e PL 2.388/2020, com foco na pandemia). "Telecom é um setor indutor de investimento, crescimento, inclusão e desenvolvimento econômico, e pode seguir ajudando o País como um dos motores, mas precisa de atenção adequada aos principais temas", declarou.

1 COMENTÁRIO

  1. Os crakudos já depredaram os orelhões, que acabaram. Este país é uma infelicidade. Ainda tenho cartão de telefone público que não serve pra mais nada. Nem museu quer. Essa Oi só dá prejuízo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.