5G trará revolução no cenário competitivo e outros setores demandarão espectro, diz Economia

César Mattos, secretário de advocacia da concorrência e produtividade do Ministério da Economia.

A manifestação do Ministério da Economia sobre a consulta pública do leilão de 5G chama a atenção para um aspecto importante do mercado que se abre com a nova geração de serviços móveis: o desenvolvimento de redes privadas e o potencial surgimento de novos modelos de gestão do espectro, incentivando a concorrência e o uso eficiente das frequências. Não é a primeira vez que a Secretaria de Advocacia da Concorrência e Produtividade do Ministério da Economia (SEAE) ressalta estes aspectos do 5G. Mas no caso da consulta pública do leilão, foi um dos pontos em que o Ministério da Economia sugeriu atenção da Anatel de maneira mais enfática, conforme contribuição assinada pelo secretário César Mattos.

"O Edital do 5G deve adaptar-se para redes 5G revolucionárias, o que representa uma transformação radical no setor móvel e nos modelos de negócios", escreve a secretaria em sua contribuição (clique aqui para ler a íntegra). "Um dos principais aspectos transformadores do 5G é o fato de permitir que soluções de terceiros se integrem à rede das operadoras, a fim prestar serviços complementares em suas plataformas de IoT, bem como para personalizar a oferta de serviços para os diferentes verticais da economia". Nesse sentido, diz o Ministério da Economia, seria importante que a Anatel "inicie, o quanto antes a discussão da necessidade ou não de APIs abertas", para que aplicações desenvolvidas por terceiros possam ser facilmente integradas às redes 5G.

Granularidade

Para a secretaria de advocacia da concorrência, também é importante que haja discussões a respeito da disponibilização de espectro em granularidade municipal. "O modelo de leilão colocado em consulta não incorporou este requisito essencial da granularidade para incentivar as redes 5G revolucionárias". Para a Economia, 'inserir o caso revolucionário no leilão do 5G seria necessária a fragmentação dos lotes dedicados às PPPs e a novos entrantes em licenças por município (local), o que poderia representar o sacrifício do principal objetivo do leilão do 5G, que é fomentar a cobertura geográfica nacional e regional Brasil". Concorda ainda que "as licenças por município (local) poderiam reduzir drasticamente o valor do espectro e de seu VPL, o que diminuiria os possíveis compromissos de cobertura geográfica que poderiam ser inseridos nas autorizações". Como alternativa, o que a secretaria de advocacia da concorrência sugere é que a Anatel incentive, em sua regulamentação:

  • i) o compartilhamento de espectro;
  • ii) a alocação dinâmica de espectro;
  • iii) a criação do mercado secundário;
  • iv) a alocação de espectro não licenciado; e
  • v) o fornecimento pelas operadoras incumbentes de redes virtuais para as MVNOs.

"Esses são elementos dinâmicos que serão fundamentais para maximizar a eficiência no espectro no futuro e possibilitar o surgimento de novas tecnologias, negócios ou atribuições de bandas de frequências diretamente para as 'micro-operadoras' na forma de licenças exclusivas em nível local".

Espectro para mercados verticais

Mas um aspecto que o Ministério da Economia insiste é na reserva e espectro para aplicações verticais, como tem sido estudado em vários países do mundo. A contribuição do Ministério da Economia elenca várias referências internacionais, incluindo o caso alemão e ressalta que "apesar de toda a oferta de espectro e inovações, o leilão do 5G (no Brasil) não prevê, de forma explícita, nenhuma faixa para a utilização em redes privadas", mas destaca que "é da opinião da Seae, porém, que o assunto deveria ser objeto de estudos mais aprofundados por parte da Anatel, a qual, segundo o exemplo do regulador alemão, deveria propiciar a construção de um amplo processo de discussão entre as empresas de telecom e os setores produtivos de forma a preparar o terreno para que a transformação digital da economia brasileira se dê da forma mais eficiente e rápida possível".

Para a secretaria, uma possibilidade seria direcionar, no futuro, o uso da faixa de 3,7 GHz a 3,8 GHz, para estas aplicações. A secretaria indica que "os 100 MHz hoje identificados como banda de guarda sejam explicitamente destinados como passíveis de uso privado pelo período de 20 anos (desde que implementados de modo a não interferir sobre outros serviços). Trata-se de buscar uma melhor definição dos direitos de propriedade, elemento importante para incentivar os investimentos em redes privadas".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.