Fusão Claro/Nextel traz impactos relevantes para a concorrência, dizem analistas

Foto: Pexels

[Atualizada às 20h30] A semana começou agitada com a notícia da compra da Nextel por US$ 905 milhões pela América Móvil, grupo mexicano que controla a Claro, Embratel e Net no Brasil. Uma das motivações principais é o espectro. Como o fortalecimento da AMX na capacidade móvel, a empresa visa as ofertas convergentes com os serviços fixos da Net. Para as concorrentes Vivo, Oi e TIM, restam diferentes estágios de competição para dar o troco. Além disso, na análise de fontes do mercado ouvidas por este noticiário, a companhia do bilionário Carlos Slim estaria aproveitando uma oportunidade de investimento, mas também mostrando mais uma vez que não quer um leilão de 5G para tão cedo. Outro objetivo é a captura da base pós-paga da operação da Nextel, especialmente no Rio de Janeiro e em São Paulo.

A analista do Itau BBA, Susana Salaru, entende que, além das faixas de 1,8 GHz e 2,1 GHz (além da frequência de 800 MHz, embora esta ainda não esteja sendo utilizada para LTE), o principal ativo da Nextel é a base pós-paga, especialmente em São Paulo e no Rio de Janeiro.

No caso paulista, há uma possibilidade de mexer com a dinâmica da líder, a Vivo, que tem participação de 36% no mercado e seria a "maior prejudicada" com a transação. A Claro tem 25%, enquanto a TIM conta com 24%, e a Nextel, 3,1%. "Mas se for analisar o market share em pós-pago em São Paulo, isso muda: a Vivo tem 41%, a Claro 26%, a TIM 18%, e a Nextel, 5%. Comprando a Nextel, a Claro reforça o posicionamento em São Paulo, e a Vivo passa a ter um competidor mais robusto", declara Salaru. "Acho que vai ficar mais difícil atrair novo cliente, o custo de aquisição em pós vai ficar mais alto."

No Rio de Janeiro, a Nextel também tem uma presença ainda mais significativa. Em geral, o mercado de pós-pago fica dividido em 33% para a Vivo, 25% para a Claro, 15% para a TIM,  14% para a Nextel e 10% para a Oi. "Junto com a Nextel, a Claro fará frente à Oi de forma mais robusta e aumentará a concorrência", declara a analista, ressaltando que a estratégia da Oi ainda é primariamente em pré-pago, apesar de ter procurado fortalecer a base pós. 

Para a analista, a TIM perdeu oportunidade de aumentar a participação em São Paulo ao não comprar a Nextel, mas não teria sido "diretamente impactada". Por outro lado, entende que a Telecom Italia teria problemas para executar um investimento deste porte, uma vez que a TIM Brasil não poderia abrir mão de caixa a ser consolidado pela controladora. 

Espectro e convergência

"O Slim foi Slim, ele viu o negócio sangrando e foi para cima", disse uma fonte do mercado em condição de anonimato. A avaliação é que a América Móvil observou a queda no preço das ações da Nextel, bem como o momento de vencimento da dívida, que deixaria a empresa em vias de entrar em uma recuperação judicial no Brasil se não conseguisse ser vendida. E ganhando mais espectro com a aquisição, a AMX também estaria "postergando a necessidade do leilão" de 5G da Anatel, previsto para março de 2020 – na quinta-feira, a agência incluiu na agenda regulatória do biênio 2019/2020 a possibilidade de mais frequências no mesmo certame, incluindo ondas milimétricas. A própria iminência do certame foi citada pela controladora da Nextel, a Nii Holdings, como um dos motivos para a venda.

Assim, o grupo mexicano observou a oportunidade de se fortalecer na móvel, mas de olho na convergência. "Não ache que ela está fazendo isso só para o serviço móvel, quem está sob pressão é a Net. A Vivo e os players regionais estão ganhando fibra, e como ela se defende? Com capacidade na móvel", especula um analista de mercado, referindo-se à possibilidade de empacotar mais serviços 4G para o usuário, e eventualmente utilizando a rede móvel também para a banda larga fixa onde não há rede da Net (lembrando que o grupo tem a Claro TV, em DTH, em todo o Brasil).

O entendimento é que a Vivo já conta com bastante espectro em São Paulo e no Rio, onde a estratégia tem se focado mais no serviço fixo em fibra, avançando nesse mercado de maior retorno de receita. Por isso, não seria a mais afetada. 

Já para a TIM, a incorporação da Nextel pela Claro poderia ser mais preocupante. A operadora estaria agora mais pressionada a decidir se pretende permanecer na móvel "e ficar refém de fusões e aquisições de espectro dos outros; e de um eventual leilão 5G", ou se iria enfim procurar avançar na estratégia no serviço fixo. A companhia adquiriu em 2011 a rede ótica da AES Atimus, o que a permitiu preparar o backhaul para 4G e aproveitar a infraestrutura para oferecer a banda larga FTTx da TIM Live, mas desde então não promoveu outras aquisições do porte. "Tem a Copel Telecom, tem a Sumicity, que acabou de ser comprada; tem a Alô Telecom. Tem um monte dessas empresas que têm telefonia fixa, mas têm fibra", afirma fonte do mercado financeiro. "A movimentação de Slim coloca mais pressão nela, mas ainda há alternativas, tem tempo ainda", declara. "Mas se a TIM quiser continuar a só ter a Atimus e comprar mais espectro, boa sorte."

O impacto na Oi, por outro lado, seria diferente, uma vez que a companhia não teria condições mesmo de comprar a Nextel: o mercado móvel exige maior capital de giro, e seria necessário um fôlego que a companhia ainda não tem, mesmo após o aumento de capital no contexto da recuperação judicial. Mas a transação também pressiona a empresa a selecionar os investimentos em direção à convergência. "Se eu fosse a Oi, não gastaria mais um centavo na móvel, colocaria tudo na fibra. Uma vez que você conecta o cliente na fibra, ele é teu por um prazo longuíssimo", avalia. Outra opção, sugere a fonte, seria a de vender o espectro em São Paulo para a TIM, passando a atuar na região apenas como uma operadora móvel virtual (MVNO). Com isso, poderia passar a investir na infraestrutura ótica. 

Acordos Vivo/Nextel

A impressão do mercado, segundo as fontes consultadas por este noticiário, é que os acordos de roaming e compartilhamento de espectro entre a Vivo e a Nextel deverão ser mantidos após a aquisição da América Móvil. Ao final desses contratos, o tráfego seria migrado para a rede da Claro normalmente. Uma judicialização poderia ser prejudicial para a prestação do serviço e acabar sendo onerosa para o grupo mexicano. "Não tem razão para não continuar. Talvez tenha alguma repactuação do valor, mas acho que RAN Sharing é bom para todas as operadoras, elas não querem ter de construir rede sobreposta. Do ponto de vista operacional, faz sentido em continuarem a dividir a rede", analisa Susana Salaru.

12 COMENTÁRIOS

    • Ainda faltam aprovações regulatórias. Após essa etapa, acredito que os clientes da Nextel vão migrar normalmente para a Claro. Não sei se vão manter os planos atuais, talvez a Anatel exija essa condição.

  1. E os funcionários? O que acontecerão com eles? Já que a Vlaro não teria interesse ma rede (Huawei) já que opera Ericsson. Além disso já possui toda a infraestrutura de rede e consegue absorver todos os clientes Nextel. Será que do presidente até o técnico de campo nada sobrará?

  2. A Oi deveria vender somente as suas frequências e ficar com os seus clientes móveis, porém atuando como uma MVNO no país todo, mantendo a oferta convergente.

  3. A TIM infelizmente perdeu uma excelente oportunidade adquirindo a Nextel, poderia ter feito isso, já que ganharia maior frequência e mais clientes no pós pago. Além de claro melhorar consideravelmente a velocidade do seu 4G que não é dos melhores. Infelizmente a TIM ficou na segunda posição de operadora mais usada, durante muito tempo, mas, achou que não fosse sair de lá tão cedo e esse foi seu erro, porque a Claro de repente deu a volta por cima e se reergueu se a TIM continuar parada e não investir em velocidade no 4G, tecnologias e reformular o site e os seus sistemas que vivem fora do ar. Será vendida ou passará pelo processo de fusão com uma tele maior muito em breve. TIM vocês precisam melhorar.

  4. Com este espectro da Nextel a Claro pode usar a Embratel para lancar LTE ao inves da mesma peristir no mercado Wi-Fi.

    A Emratel sublicenciaria espectro de 800MHz a operadoras alternativas para asmesmas lancarem LTE nos municipios remotos e a Embratel teria duas novas fontes de receita:
    1) Sublicenca do espetro
    2) Transporte IP transito dos SMPs

    Nos da Athonet vendemos estas solucoes para operadoras alternativas
    https://athonet.cloud/

    Grato

    Osvaldo Coelho

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.