Alcatel-Lucent defende o uso dos 700 MHz em áreas rurais

Em almoço com a imprensa nesta terça-feira, 22, Gagrielle Gauthey, vice-presidente sênior de relações institucionais da Alcatel-Lucent, defendeu o uso dos 700 MHz para a massificação das telecomunicações nas áreas rurais do Brasil.
Segundo Gabrielle, isso já acontece em países europeus, como a França, com bastante sucesso. "Lá há regras estabelecidas para o compartilhamento de espectro nas zonas urbanas e rurais. Cerca de 70% da população na França utiliza infraestrutura compartilhada (unbundling)", diz. De acordo com a executiva, o Brasil precisa urgentemente limpar as faixas de 700 MHz (atualmente utilizado pelas emissoras de TV) para, em seguida, estabelecer regras de unbundling entre as operadoras móveis. "As TVs podem podem ser deslocadas para outras frequências. E em regiões de menor densidade populacional, as operadoras podem compartilhar não apenas a parte passiva (rede óptica), mas também as estações radiobase (ERBs) e os ativos (eletrônica) da rede", explica. Para a executiva, a faixa de 2,5 GHz não será suficiente para universalizar a banda larga no país.
Universalização móvel

Notícias relacionadas
Gabrielle também alegou que a universalização da banda larga no país se dará por meio da telefonia móvel. "Esse é o mercado que mais cresce. Cerca de 70% dos usuários de telefonia móvel no mundo terão smartphones dentro dos próximos cinco anos", finalizou, citando um estudo global da Alcatel-Lucent.
A faixa de 700 MHz só deverá ser liberada no Brasil depois de 2016, quando acaba a transição digital das emissoras de TV, mas ainda há dúvida se esse espectro não será mantido para a radiodifusão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.