Publicidade
Início Newsletter Brasil impulsiona resultados do grupo Telefónica em 2023

Brasil impulsiona resultados do grupo Telefónica em 2023

Foto: Divulgação/Telefónica

Os números de 2023 do grupo espanhol Telefónica (que controla a Vivo) indicaram uma importância crescente das operações do Brasil nos resultados da multinacional.

No ano passado, a Telefónica somou receita de 40,6 bilhões de euros, em alta de 1,6% na comparação com 2022. A participação brasileira no bolo subiu dois pontos percentuais: 21% do faturamento global em 2023, contra 19% um ano antes. A Vivo cresceu 8,4% no ano passado.

Também houve reflexo da operação brasileira na lucratividade. O lucro operacional antes de depreciação e amortização (Oibda) da Telefónica recuou 11% em 2023 (para 11,39 bilhões de euros), ainda que tenha avançado 1,4% em termos orgânicos. A participação do Brasil no montante passou de 25% para 28%.

Notícias relacionadas

Em conferência com analistas nesta quinta-feira, 22, o CEO da Telefónica, Jose Maria Alvarez-Pallete, classificou a performance no País como “estelar” e “excepcional”. Principal mercado do grupo, a Espanha teve números mais modestos e cresceu a receita em 1,3% em 2023, enquanto na Alemanha houve alta de 4,7%.

No Reino Unido, os 50% da joint-venture da gigante com a Virgin Media (a VMO2) cresceram 3,7% no balanço da Telefónica. Já nas operações da América “hispânica” houve queda de 8,3%, com pressão das operações na Argentina especialmente no último trimestre.

Neste período, a receita total global da Telefónica caiu 0,5%, para 10,153 bilhões no quarto final de 2023.

Resultado líquido

O resultado líquido da Telefónica no consolidado de 2023 foi negativo. A empresa reportou prejuízo de 862 milhões na linha – após indicar resultado líquido negativo de 2,154 bilhões no quarto trimestre do ano.

Entre as razões para o prejuízo contábil na reta final do ano estão recursos relacionados ao plano de demissão de funcionários na Espanha e uma deterioração do goodwill calculado para VMO2, decorrente da piora das condições macroeconômicas no Reino Unido.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile