Brasil é única operação do grupo Telefónica a crescer em receitas em 2017

A Telefónica registrou queda de 4,1% na receita do quarto trimestre do ano passado e obteve 13,162 bilhões de euros, segundo informou balanço financeiro do grupo espanhol que controla a Vivo no Brasil nesta quinta-feira, 22. No acumulado do ano, o acumulo foi de 52,008 bilhões de euros, praticamente estável (queda de 0,1%) em relação a 2016.

De todas as operações – exceto da subsidiária de infraestrutura Telxius -, a única controlada a mostrar crescimento nas receitas do acumulado do ano foi justamente a Telefônica Brasil, com 8,4% de avanço, total de 12,019 bilhões de euros. A brasileira registrou, porém, uma queda de 5,4% no trimestre, com um total de 2,892 bilhões de euros.

Notícias relacionadas

O lucro operacional antes de depreciação e amortização (OIBDA) do grupo espanhol nos três últimos meses de 2017 foi de 3,913 bilhões de euros, aumento de 22,8%. No acumulado dos 12 meses, foi de 16,187 bilhões de euros, avanço de 7,1%. A Telefônica Brasil registrou respectivamente 1,028 bilhão de euros (queda de 4,9%) e 4,191 bilhões de euros (13,2% de crescimento) no trimestre e no ano.

A margem OIBDA da Telefónica aumentou 6,5 pontos percentuais no trimestre, encerrando dezembro em 29,7%. No ano, aumentou 2,1 p.p. e ficou em 31,1%. O lucro operacional aumentou 146,3% no trimestre (total de 1,648 bilhão de euros), enquanto no ano foi de 6,791 bilhões de euros, um aumento de 24,2%.  Já o lucro líquido fechou dezembro em 693 milhões de euros, enquanto no acumulado de 2017 foi 3,132 bilhões de euros, um avanço de 32,2%. 

Em termos de Capex, o grupo espanhol despendeu 2,735 bilhões de euros, uma redução de 6,1% comparado a igual período de 2016. Considerando o ano passado inteiro, foram 8,697 bilhões de euros, redução de 2,6%. Os investimentos dedicados ao Brasil caíram 7,3% no trimestre (712 milhões de euros), mas no total de 2017 representaram um aumento de 4,1% em relação ao ano anterior, com 2,225 bilhões de euros.

O fluxo de caixa operacional da Telefónica foi de 1,178 bilhão de euros no trimestre (aumento de 24,4%) e de 7,490 bilhões nos 12 meses (avanço de 21%). No Brasil, foi de 316 milhões de euros (avanço de 1,1%) e de 1,966 bilhão de euros (aumento de 25,5%), respectivamente.

1 COMENTÁRIO

  1. O que segura a VIVO é a boa cobertura, especialmente no interior. Impossível ter prejuízo com os valores dos planos cobrados!

Deixe uma resposta para Rogério Pires Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.