Procuradoria da Anatel diz que renovação de espectro não vale para atuais players

Foto: Pixabay

O procurador da Anatel, Paulo Firmeza, confirma a este noticiário que o entendimento da Procuradoria Federal Especializada da agência em relação à possibilidade de renovação ilimitada das autorizações de uso de espectro prevista na Lei 13.879/2019 (novo modelo) não vale para as atuais outorgas das operadoras móveis. Segundo o procurador, ainda em 2016 a área jurídica da agência, que é vinculada à AGU, manifestou-se formalmente sobre o entendimento que teria do texto do PLC 79. Na ocasião, a manifestação foi no sentido de que a renovação de espectro prevista no novo modelo, mantida a redação que era discutida, não poderia valer para os contratos atuais. Segundo Paulo Firmeza, este entendimento só poderia mudar caso houvesse algum elemento novo ou outra redação, o que não aconteceu.

Uma das possibilidades sendo discutida no governo é que o decreto de regulamentação da Lei 13.879/2019 traga outra interpretação, mais flexível, mas a Consultoria Jurídica do MCTIC, a área jurídica da Casa Civil e a própria procuradoria da Anatel, como atesta a fala de Firmeza a este noticiário, são contra.

Notícias relacionadas

Um ex-conselheiro da Anatel ouvido por este noticiário que acompanhou o debate do novo modelo diz que essa preocupação jurídica é absurda. "É evidente que a nova lei vale para os contratos existentes. Isso é coisa de advogados de alguns órgãos do governo que não gostaram da redação e agora querem fazer uma interpretação absurda e diferente de todo o Legislativo. Tanto é possível mexer em contratos vigentes que a revisão do modelo do setor elétrico feito ainda no governo Dilma, por exemplo, valeu para todo mundo", desabafou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.