Ministro Hélio Costa propõe comissão para mudar o DTH

O ministro das Comunicações, Hélio Costa, anunciou nesta terça-feira, 21, a criação de uma comissão para propor alterações na regulamentação do DTH de forma a permitir um maior controle em relação ao capital das operadoras e ao conteúdo a ser transmitido. A comissão, a ser criada por uma portaria do Minicom, terá 60 dias para apresentar suas conclusões. Durante esse período, nenhuma decisão sobre o serviço poderá ser tomada. Segundo Hélio Costa, isso inclui a possibilidade de a Telefônica utilizar o DTH da Astralsat para oferecer o serviço, bem como o pedido da Telefônica para operar um sistema próprio.
Vale lembrar que no começo de outubro Hélio Costa anunciou já ter pronto um instrumento normativo nesse mesmo sentido.

Notícias relacionadas

Falta amadurecer

Desde o começo de outubro, quando anunciou a idéia de criar algum tipo de controle sobre o DTH, aparentemente a idéia não teve evoluções concretas. O ministro voltou a repetir que não é possível que exista no País um serviço de comunicação eletrônico de massas sem qualquer tipo de controle: ?Em nenhum lugar do mundo você chega num balcão e pede uma autorização para prestar um serviço desse tipo e sai com a outorga, sem nenhum critério?.
Questionado sobre o fato de que se trata de um serviço por assinatura, e não um serviço aberto, o ministro retrucou que uma poderosa empresa estrangeira, por exemplo, poderia criar um sistema de DTH e distribuir o serviço gratuitamente (como acontece com a radiodifusão), burlando a legislação brasileira que exige o controle do capital estrangeiro por parte dos radiodifusores.

Mercado de trabalho

Na opinião do ministro, a iniciativa tem o objetivo de garantir o mercado de trabalho para brasileiros: ?Até a legendagem e a dublagem de filmes veiculados na televisão por assinatura são feitos no estrangeiro, roubando mercado de trabalho dos profissionais brasileiros?, lembrou o ministro. Neste sentido, a regulamentação do DTH deverá garantir algumas providências para aumentar a participação dos programadores locais.
Ressalte-se que a programação que chega ao país via DTH é a mesma oferecida via outras tecnologias de TV por assinatura, como cabo e MMDS, e sobre todas elas há uma série de obrigações colocadas na legislação da Ancine.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.