GSMA volta a propor redução de capacidade para Wi-Fi em 6 GHz

O uso da frequência de 6 GHz para aplicações como Wi-Fi foi determinado pelo Conselho Diretor da Anatel em maio, com a aprovação da revisão do Regulamento sobre Equipamentos de Radiocomunicação de Radiação Restrita. Porém, para a associação global da indústria móvel GSMA, há dúvidas sobre a própria demanda para o espectro não licenciado, e há a possibilidade de futuras aplicações em 5G, ainda que isso não esteja sendo discutido na União Internacional de Telecomunicações (apenas uma pequena faixa de 100 MHz entre 7.025-7.125 MHz será estudada em 2023). A entidade afirma que a saída seria dedicar não toda a capacidade, mas apenas parte inferior dela para o WiFi 6

A proposta tem sido a de dedicar 500 MHz na parte "de baixo" da faixa, uma vez que já haveria harmonização com as implantações dos Estados Unidos e Europa. "E espera um pouco mais com os 700 MHz de cima, porque os outros estão decidindo o que fazer. O único país que tomou a decisão para o Wi-Fi foram os EUA, enquanto a China deixou para o serviço móvel", destacou a a diretora sênior de espectro futuro da GSMA, Luciana Camargos, em entrevista ao TELETIME.

A Europa teria se decidido pela destinação de 500 MHz dos 6 GHz para o WiFi 6. Os Estados Unidos, por sua vez, já dedicaram toda a banda de 1,2 GHz da faixa para o uso não licenciado. A diretora da GSMA lembra, contudo, que as condições daquele país são diferentes da realidade brasileira, inclusive na demanda.

Notícias relacionadas

"O receio que passamos ao Conselho Diretor foi que, se liberar o WiFi 6 agora no Brasil, e a tecnologia avançar com decisões da WRC e andamento da região 1 [Europa], o Brasil perderá." Segundo Camargos, o País estaria promovendo a destinação de 1,2 GHz "considerando que há demanda, e eu nem sei se há, é algo que a gente questiona. Se o Brasil liberar tudo, pode haver risco de não conseguir seguir essas regiões". O País está na região 2 (Américas) na UIT.

O argumento da GSMA é que o gargalo da Internet fixa não seria no espectro não licenciado, mas sim na fibra que chega até o roteador – ou seja, a última milha. "A África tem um problema de backbone muito grande. E como vai entrar com WiFi 6, o que ele vai resolver em gargalo? O Brasil tem muitas áreas parecidas", diz.

Preocupações

Uma preocupação é com a interferência. Segundo a entidade, a Anatel não teria promovido testes para convivência das aplicações não licenciadas e serviços como backhaul em micro-ondas. "A primeira preocupação é: cadê os testes? A Anatel fez com o 700 MHz, faz agora com a banda C, mas onde estão os testes com o Wi-Fi? Todos os conselheiros falaram que não há previsão para isso", declarou Luciana Camargos. "As operadoras móveis têm 20 mil links de backhaul nessa faixa toda, e o compartilhamento seria muito complicado", declara. 

Outra preocupação levantada por Camargos é que a ocupação de aplicações não licenciadas pode ser um caminho sem volta, como aconteceu com a faixa de 2,4 GHz. A diretora da GSMA trabalhava na Anatel nessa época, e diz que houve indefinição por um certo tempo, baseada na promessa de que haveria algum tipo de compartilhamento com o uso licenciado. "Ficamos anos discutindo na SEO [superintendência de espectro e órbita] até que um dia disseram que teria que sair todo o mundo", afirma. 

WRC-23

A agenda da conferência mundial de radiofrequências (WRC) de 2019 já não havia definido a faixa de 6 GHz para o serviço móvel (IMT). Ainda assim, a GSMA acredita que o tema poderia ser incluído na próxima edição, em 2023 (WRC-23). "Teoricamente, o uso para o 5G estaria fora dessa conferência, mas a gente tem que avaliar que, quando [outra] região começa a usar, tende a haver uma harmonização internacional", justifica.

Diretor de políticas públicas da GSMA para a América Latina, Lucas Gallitto complementa: "Não tem nenhuma pressa. O Brasil hoje é o País que está mais na frente da discussão e tem liderança nesse tema. Agora estamos esperando a decisão do conselho diretor, e eles vão ter uma consulta pública."

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.