Operadoras podem atuar como facilitadoras da transformação digital para governos

Secretária de desenvolvimento do Governo de São Paulo, Patrícia Ellen

As parcerias público-privadas estão em uma nova fase com o momento de transformação digital. Não apenas no ponto de vista do poder público, mas também de operadoras que prestam serviços para governos, a aceleração da digitalização a partir da pandemia trouxe novos desafios. 

Diretora executiva da Embratel, Maria Teresa Lima diz que há evolução no processo de digitalização que permitiu uma maturidade nessa relação entre público e privado. "Sabemos dos desafios orçamentários de todos os governos", declara. "Procuramos nos colocar como facilitadores e parceiros no processo de transformação."

"Quando falamos de grandes ou pequenas empresas, as dores são muito parecidas com as do setor público", explica a diretora de produtos da Oi Soluções, Ana Mariah Brandão, citando a cibersegurança como exemplo. "As empresas estão todas sedentas e precisam desse apoio, seja no setor público ou privado. E a transformação digital abriu um leque de oportunidades", avalia. 

Notícias relacionadas

Na visão da CIO da TIM, Auana Mattar, o setor já avançou muito na digitalização do atendimento, e isso será intensificado com a chegada do 5G, com aumento do volume de dados e necessidades de inteligência artificial. "Acredito que, por meio das parcerias e da evolução dos serviços criados, a gente tenha papel fundamental de transformação. Nos últimos 15 meses ficou bem evidente para todos o quão fundamental são as telcos", declarou. 

A diretora de experiência digital da Vivo, Carla Beltrão, coloca que a pandemia trouxe desafios não apenas para operadoras, e que a transformação digital impõe novos modelos de negócio. "Vai chegar primeiro quem colocar o cliente no centro, quem tratar o relacionamento de maneira contextualizada, personalizada, e que o cliente se sinta adquirindo valor nessa jornada."

Foco na inovação

A proposta do governo de São Paulo é a de trazer um ambiente de inovação aberta em parceria com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). De acordo com a secretária de desenvolvimento econômico do estado, Patrícia Ellen, atualmente há um "pipeline de bilhão de reais de investimento" com o modelo compartilhado. 

"Neste primeiro semestre de 2021, tivemos a confirmação de mais de dez empresas que mudaram o departamento de pesquisas para dentro do IPT", diz, citando empresas com 3M, Kimberly-Clarke e BTG. Ellen destaca que é necessário que o Brasil reverta a posição baixa em rankings internacionais de inovação. "Podemos dar passos ainda maior", coloca, reforçando parceria com as teles presentes no painel.

A secretária do governo de São Paulo e as representantes da Embratel, Oi, TIM e Vivo participaram de painel nesta terça-feira, 21, no Painel Telebrasil 2021.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.