PPL visa revitalizar Telebras; PSTU quer reestatizar; DC e Patriotas prometem reforma tributária

O PSTU quer desfazer as privatizações promovidas anteriormente. Pelo menos é um dos pontos destacados no programa de governo da candidata à presidência Vera Lúcia é a reestatização das empresas privatizadas em governo anteriores. "O Brasil está sendo entregue de bandeja ao grande capital estrangeiro, a preço de banana. Precisamos suspender todas as privatizações, tomar de volta tudo o que foi entregue, e coloca-las sob o controle dos trabalhadores. Isso inclui a Petrobrás, a Vale, a Embraer e todas as outras estatais."

Na área econômica, o partido também destaca que o Estado deverá tomar conta do sistema financeiro. "As grandes empresas multinacionais dominam a nossa economia. Aproveitam-se de subsídios e isenções, exploram nossa mão-de-obra barata e remetem às matrizes, nos países ricos, o resultado do nosso trabalho. Financiamos com o nosso suor os lucros dos grandes capitalistas. É necessário proibir as remessas de lucros e estatizar as grandes multinacionais sob o controle dos trabalhadores, incluindo os bancos como o Santander. Para isso o sistema financeiro deve estar também sob controle dos trabalhadores."

Notícias relacionadas

DC

O programa do candidato à presidência José Maria Eymael também não apresenta propostas detalhadas para os setores de Tecnologia da Informação, Comunicações e Telecomunicações, porém sugere a promoção da reforma tributária, "visando à simplificação do Sistema, a redução da carga tributária e o respeito à capacidade contributiva".

Patriotas

No programa de governo do Patriotas novamente não há menção sobre os setores de Tecnologia da Informação, Telecomunicações e Comunicações. As medidas propostas que podem impactar o setor são na área econômica. O governo do candidato Cabo Daciolo pretende reduzir a taxa de juros "a fim de possibilitar ao país atrair investimentos estrangeiros e competir com mais vigor no mercado internacional. Além disso, iremos fortalecer a produção brasileira, facilitar o trâmite para patentes de produtos nacionais e promover o desenvolvimento do pequeno, médio e grande empreendedor do país, eliminando as disfunções burocráticas que atrasam o desenvolvimento e desmotivam aqueles que desejam empreender".

Outra questão abordada pelo partido é a reforma tributária. "É imprescindível para o desenvolvimento a redução da carga tributária, além disso, é preciso concomitantemente reduzir a despesa pública e promover uma melhor alocação dos recursos do erário. Não adianta reduzir impostos, se o setor público não diminuir os gastos e não eliminar privilégios. Iremos efetuar um equilíbrio de forças a fim de promover investimentos no setor público, cruciais e ao mesmo tempo eliminar gastos excessivos e desnecessários".

PPL

Destoando desses programas, a proposta do candidato João Goulart Filho conta com um capítulo dedicado aos setores de Tecnologia da Informação, Comunicações e Telecomunicações. Se eleito, o candidato pretende "reconstruir o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, esvaziado após a desastrosa fusão com o Ministério das Comunicações. Elevar o investimento em pesquisa de 1% para 3% do PIB nos próximos quatro anos, equiparando-o ao de países como a China, Japão, Coreia do Sul, Suécia, França, EUA e Alemanha. Baseado no Plano de Ciência e Inovação Tecnológica da Academia Brasileira de Ciências, desenvolver a engenharia nacional e os setores de tecnologia de ponta vitais para a nossa independência: microeletrônica, informática, telecomunicações, materiais estratégicos, engenharia genética, biomédica, nuclear, aeroespacial e a indústria da defesa. Reativar a Telebras para universalizar a banda larga."

O programa também sugere "promover uma Reforma Tributária Direta e Progressiva que elimine impostos indiretos, taxando a renda e a propriedade dos grandes e não o salário dos pequenos e estabelecer um imposto progressivo sobre as remessa de lucros das multinacionais para suas matrizes no exterior."

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.