Brasil analisa modelos internacionais para planejar o switch off

O Minicom analisou o que funcionou e o que não deu certo nos países que já fizeram o desligamento da TV analógica (switch off) para preparar a parte final do plano de transição brasileiro. Foi o que contou nesta terça, no Congresso da SET, a diretora de outorgas da Secretaria de Comunicação Eletrônica do ministério, Patrícia Ávila.

Notícias relacionadas
Ela conta que no Japão o switch off foi feito em “one-shot”, ou seja, de uma só vez. Mas houve no país uma grande mobilização, com divulgação nos órgãos públicos e até apoio dos Escoteiros, na ajuda aos idosos para se adaptarem à TV digital. Houve também um grande esforço na universalização da recepção, com instalação de antenas, reforço na cobertura e parceria com o varejo. Foram veiculados vários avisos na TV, com apoio de um call center para dúvidas. O efeito foi um alto custo, e um problema de fornecimento de receptores na etapa final.

Nos EUA também foi feito um one-shot, embora alguns radiodifusores tenham desligado seus sinais antes mesmo do prazo. Foi criado um cupom para a compra do receptor (set-top), e feito o leilão antecipado das faixas de 700 MHz, para quem quisesse abrir mão das frequências.

No caso europeu (França, Espanha e Portugal) o desligamento foi escalonado, modelo que o Brasil pretende seguir. No caso francês, houve subsídio dos receptores, e em toda a região foi utilizado o satélite para complementar a cobertura onde esta era deficiente.

Já na Coreia houve um one-shot, mas com quatro pilotos realizados até dois anos antes da data final. Foi importante no país a colaboração da indústria de receptores, que ofereceu equipamentos de baixo custo no período de transição.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.