Junho registra queda de 30% das reclamações de serviços de telecomunicações

Dados da Anatel divulgados pela Conexis Brasil Digital nesta quarta-feira, 21, afirmam que o número de reclamações de usuários dos serviços de telecomunicações caiu 30,9% em junho de 2021 na comparação com junho do ano passado. Segundo o levantamento, em junho de 2020 foram registradas 263.379 reclamações, já em junho deste ano esse número caiu para 181.924, uma redução de 81.455 queixas.

A queda no mês segue uma tendência de redução nas reclamações de usuários de telecomunicações. Em maio, a queda foi de 28,4% e em abril o número de reclamações havia caído 24,4% em relação ao mesmo mês do ano passado.

"Nunca houve quedas de dois dígitos antes nas reclamações que chegam pelos canais da Anatel. Isso é resultado dos investimentos feitos pelas empresas, que se mantém acima de R$ 30 bilhões no ano", afirmou o presidente executivo da Conexis, Marcos Ferrari. "É preciso enfatizar ainda os avanços nas medidas de autorregulação do setor, como a plataforma Não Me Perturbe, que permite bloquear ligações de telemarketing das empresas de telecomunicações e de bancos".

Notícias relacionadas

Conforme aponta a entidade, esse cenário de redução nas reclamações ocorre mesmo com a manutenção de atividades como o teletrabalho e aulas online, que levam a um aumento no consumo de serviços de telecomunicações.

Redução na TV por assinatura

Todos os principais serviços de telecomunicações apresentaram redução nos últimos 12 meses. A maior queda ocorreu no serviço de TV por assinatura, cujo índice caiu 52,4%, de 26.717 para 12.711. No serviço de internet fixa as reclamações caíram 37,5% de 73.874 para 46.138, e na telefonia móvel as reclamações caíram 23,8% em junho em relação a junho do ano passado, passando de 122.004 para 92.943.

"Mesmo durante a pandemia, as empresas de telecom vêm empenhando esforços para manter a conectividade com qualidade, servindo de base nos negócios e empresas para a transformação digital, minimizando o impacto negativo da crise na economia", afirma a entidade setorial.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.