Antes da pandemia, 18% das UBS do Brasil não tinham acesso à Internet

Foto: Pixabay

Em um cenário ainda pré-pandemia, a pesquisa TIC Saúde 2019, divulgada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) nesta terça-feira, 21, mostra como o País encarou – e provavelmente ainda encara – a crise do coronavírus: com quase um quinto das unidades básicas de saúde (UBSs) sem acesso à Internet. São 7,2 mil UBSs  desconectadas, ou 18% do total, segundo o levantamento realizado pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br). Comparado com a pesquisa do ano anterior, o cenário praticamente não havia mudado – de fato, houve um crescimento de 1% na quantidade de UBS desconectadas.

Dos estabelecimentos com conexão (ou seja, 82% do total), as tecnologias mais utilizada são de fibra ou cabo – a entidade não fez diferenciação entre as duas. Segundo a pesquisa, 86% utilizavam essa forma de banda larga, enquanto 43% usavam o cobre (xDSL); 13% via rádio; e 8% via satélite. Além disso, 39% contavam com modem ou chip 3G/4G. Uma UBS pode ter mais de um tipo de conexão.

Por conta da presença da fibra, a maior parte das unidades contam com velocidade de 10 Mbps a 100 Mbps (30%) – a ampla faixa é a adotada pela pesquisa. As conexões acima dessa velocidade eram 11%. Nota-se que 26% responderam não saber qual era a capacidade da banda larga contratada.

"Ainda que o cenário nessas unidades de saúde tenha apresentado melhoras, existe uma parcela significativa de UBS sem computador e sem acesso à Internet. Isso é bastante relevante em um momento em que enfrentamos a pandemia COVID-19 e precisamos, mais do que nunca, que esses estabelecimentos estejam informatizados e conectados, de forma que possam contribuir com informações atualizadas para o controle e combate à doença", declarou o gerente do Cetic.br, Alexandre Barbosa, em comunicado.

A coleta de dados ocorreu entre julho e novembro do ano passado com 2.427 gestores de estabelecimentos de saúde; e entre setembro de 2019 e fevereiro de 2020 com 1.732 médicos e 2.458 enfermeiros vinculados a esses estabelecimentos. 

Sem conectividade

Se a pesquisa fosse feita hoje, durante a pandemia, poderia não haver um resultado tão diferente. O governo, por meio do Ministério da Saúde (MS) e do então MCTIC, anunciou no começo de abril um programa em parceria com a RNP para conectar 16,2 mil UBS pelo País em resposta à pandemia do coronavírus. Mesmo sem contar com orçamento definido, a instituição chegou a realizar o chamamento de provedores, que enviaram propostas e apoiaram a iniciativa. A promessa era de uma ação urgente e início ainda no dia 30 daquele mês.

Porém, as sucessivas mudanças de comando no Ministério da Saúde, agora comandada interinamente pelo militar Eduardo Pazuello, acabaram por colocar o programa em um limbo. A pasta já completa 66 dias sem um ministro. Nesse interim, o governo recriou o Ministério das Comunicações (Minicom). Desde abril, o projeto de conexão das UBSs não tem mais notícias por parte do governo ou da RNP.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.