Associações e Anatel em acordo sobre caminhos legislativos

Em exposição realizada nesta segunda, 21, na audiência pública promovida pela Sub-Comissão Especial dos Marcos Regulatórios da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal, algumas das principais associações de empresas do setor de telecomunicações (Abrafix, Acel, ABTA e TelComp) mostraram que existem muitos pontos de consenso sobre a necessidade de alterar o marco regulatório para melhorar a prestação dos serviços de telecomunicações.
Em comum, todas as associações e a agência defenderam a Lei Geral de Telecomunicações (LGT), apontando apenas a necessidade de pequenas modificações; todas defendem a integração das diversas tecnologias de TV por assinatura (apesar de a Anatel não ter se manifestado sobre o fim da restrição ao capital estrangeiro na TV a cabo); todas defendem a neutralidade tecnológica, bem como a regulamentação por serviços e não mais por tecnologia; todas defendem o aumento da competição; todas defendem a diminuição dos impostos, especialmente do Fistel, considerado extorsivo (observando-se que, curiosamente, a Anatel não se manifestou sobre o tema); e todas (exceto a própria Anatel) defenderam uma agência soberana, independente, sem contingenciamento de recursos, sem "captura por parte do Estado". Lembraram, como exemplo, o atraso na indicação de conselheiros sem nenhuma razão técnica aparente.
O presidente da Abrafix, José Fernandes Pauletti, chegou a elencar uma série de críticas ao relatório do projeto 3.337/04 (projeto que regulamenta as agências reguladoras), propondo modificações sensíveis.
O presidente da TelComp, Luiz Cuza, pediu mais transparência em relação às decisões da agência e abertura ao público das reuniões do Conselho Diretor, como acontece na Aneel.

Novo enfoque sobre conteúdo

As associações deixaram de lado a discussão sobre produção de conteúdo para focar as discussão sobre a distribuição de conteúdo audiovisual, inclusive a Abrafix, que veio com novo discurso: em lugar de confrontar os radiodifusores, resolveu mostrar que o negócio do futuro das teles é distribuir TV por assinatura. A ABTA e a TelComp, em suas posições já manifestadas inclusive em outras ocasiões, pedem que isso aconteça após uma mudança no marco legal, com salvaguardas aos atuais operadores a fim de se evitar abusos de poder de mercado e estímulo à concorrência em outros setores (banda larga e voz).
Para a Anatel, a discussão sobre conteúdo não deve ser feita exclusivamente pelo setor de telecomunicações, mas por um conjunto mais amplo da sociedade, que possa considerar a identidade cultural do país, o potencial de produção brasileiro e a manutenção e criação de empregos.

Para variar, sem senadores

Apesar da presença significativa de público e da transmissão ao vivo pela TV Senado até quase o seu final, a audiência contou apenas com a presença do presidente da sub-comissão, senador Delcídio Amaral (PT/MS). Quando o último orador terminava sua fala, chegou o senador Garibaldi Alves (PMDB/RN), que ameaçou entregar a relatória (o que não foi aceito pelo presidente) em função de sua dificuldade de acompanhar as audiências.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.