Um terço dos estudantes no mundo ficaram sem Internet durante a pandemia

Foto: Fabiano Morari/MCom

Relatório da Unesco sobre o uso de Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) na educação, aponta que durante a pandemia, um terço dos estudantes no mundo não tiveram acesso a tecnologias para estudar durante a pandemia.

O organismo internacional mostram que, até o final de 2020, quase 1,6 bilhão de alunos em mais de 190 países, 94% da população estudantil do mundo foi afetada pelo fechamento de instituições educacionais no auge da crise. O secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou sobre uma "catástrofe geracional" em agosto de 2020, com base na crise educacional sem precedentes que paira sobre milhões de alunos em todo o planeta

Com o fechamento das escolas, diversos países do mundo tiveram que encontrar formas de garantir cursos online para seus estudantes. Segundo o relatório, quase todos os países combinaram esses cursos com programas de TV ou rádio para apoiar a continuidade do aprendizado durante o fechamento das escolas.

Notícias relacionadas

No entanto, a cobertura e os efeitos das medidas de ensino a distância adotadas pelos países forneceram elementos para mostrar a importância de incluir as TIC nas políticas educacionais. Países sem TIC bem planejadas e com bons recursos em estratégias de educação antes da pandemia estão entre aqueles com menor prontidão em termos de competências digitais dos professores, recursos digitais de aprendizagem e plataformas nacionais, diz o relatório.

As implicações socioeconômicas a longo prazo precipitadas pela pandemia são ainda piores, diz o documento da Unesco: estima-se que o número de crianças fora da escola provavelmente aumentará em pelo menos 24 milhões. "Os sistemas educacionais em todos os países devem garantir que estejam preparados para um mundo cada vez mais propenso a crises e pandemias nos próximos anos. É imperativo que os formuladores de políticas mudem as mentalidades sobre os modelos de ensino e planejem políticas e estratégias visionárias que aliem tecnologia com recursos humanos para construir sistemas de aprendizagem mais inclusivos, abertos e resilientes", orienta a Unesco no documento.

ODS e TIC na educação

A Unesco diz que o termo "TIC na política educacional" é usado na publicação em um sentido amplo. "Estamos nos referindo às múltiplas formas de políticas públicas para alavancar abordagens que combinam recursos humanos, hardware, software e conteúdo e aplicativos digitais para ampliar o acesso às oportunidades de educação e aumentar a relevância e a qualidade do aprendizado, ao mesmo tempo em que promove as habilidades digitais", diz o organismo internacional.

A Unesco também aponta que ao longo das últimas décadas a educação em suas várias formas em todo o mundo tem estado sob crescente pressão para se adaptar às rápidas mudanças no cenário social, econômico e tecnológico, especialmente com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

A Unesco afirma que tem apoiado os esforços de governos e instituições educacionais em todo o mundo para desenvolver TIC nacionais e institucionais em políticas educacionais e estabelecer planos diretores. "Até agora, esse suporte adotou uma abordagem holística para o desenvolvimento de recursos e fornecimento de suporte técnico em torno de suas funções principais interconectadas: desenvolvimento de instrumentos internacionais; produção e compartilhamento de orientações intelectuais sobre o uso das transformações tecnológicas a educação; e assistência técnica e desenvolvimento de capacidades", diz a entidade.

Evento

Em abril, o TELETIME organizará a primeira edição do Seminário Educação Conectada, que discutirá o diagnóstico das políticas públicas voltadas para a conexão das escolas brasileiras e o papel das operadoras nesse processo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.