TIM pretende estender parceria com Apple para além do streaming de música

iPhone 13. Foto: Divulgação/Apple

A TIM anunciou na semana passada uma parceria com a Apple que promete ser apenas a primeira de várias com a gigante da tecnologia de Cupertino (na Califórnia, Estados Unidos). No momento, a operadora passou a oferecer a clientes de planos pós-pago (Black Família e Black) e controle um período de seis meses do serviço de streaming de músicas Apple Music.

Em conversa informal com jornalistas na última sexta-feira, 18, no Rio de Janeiro*, o novo presidente da TIM, Alberto Griselli, comentou que havia chance de expansão da colaboração com a Apple. Perguntado se isso incluiria o streaming de vídeo Apple TV+, o executivo apenas comentou que o serviço de música era "o primeiro de vários" outros. Lembrando que a empresa ainda tem serviços de armazenamento, iCloud; de saúde, o Fitness+; e de games, Apple Arcade.

Na ocasião, o executivo colocou que um acordo de serviços com a big tech não era algo trivial, e que por isso vislumbrava mais parcerias semelhantes. Ele não detalhou, contudo, quais ou quando seriam anunciadas as próximas.

Notícias relacionadas

Nesta primeira parceria para o Apple Music, além da isenção de mensalidade no período, o tráfego para o streaming não é descontado da franquia de dados (zero rating). Contratado diretamente com a Apple, o serviço tem um período de testes reduzido em relação à contratação com a TIM (de um mês para assinantes novos e de três meses para quem obteve um novo aparelho da marca).

O Apple Music custa R$ 16,90 mensais em assinatura individual e R$ 24,90 em plano familiar (até seis pessoas), além de um plano individual para universitários por R$ 8,50. Além de aparelhos iOS, MacOS e iPadOS, também é possível acessar o streaming em aparelhos Android. Em todos os planos, além de áudio com baixa compressão (lossless), há compatibilidade com o formato Dolby Atmos, para som "espacial", embora apenas algumas músicas estejam disponíveis com esse recurso, que funciona com fones de ouvido e caixas de som compatíveis.

iPhone

Griselli também comentou por diversas vezes que que parte da estratégia é a da venda do iPhone, carro-chefe da Apple, a um preço mais acessível para o consumidor. Não comentou se haveria subsídio diretamente, mas mencionou custo abaixo do oferecido pelo varejo – a operadora oferece o modelo iPhone 12 por R$ 3 mil que pode ser pago em 21 parcelas sem juros, mas atrelado ao plano pós-pago TIM Black Família de 100 GB, que tem mensalidade de R$ 319,99 (é possível outras combinações com os demais planos em diferentes valores).

O modelo mais recente, o iPhone 13, custa a partir de R$ 6.949 no mesmo plano TIM Black Família 100 GB. Há ainda a opção da versão mais barata (e com formato antigo, com leitor de digital abaixo da tela), o iPhone SE de 2ª geração, por R$ 2.449 no TIM Black 25 GB.

* O jornalista viajou ao Rio de Janeiro a convite da TIM.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.