Celular é o único meio de acesso à Internet para 58% dos usuários, aponta pesquisa

Foto: rawpixel.com / Pexels

[Publicado originalmente no Mobile Time] O telefone celular é o único meio de acesso à Internet para 58% dos internautas no Brasil. Menos de um terço da população pode ser considerada plenamente conectada, ou seja, tem oferta de conexão de qualidade. Estas pessoas são sobretudo brancas das classes A e B; os outros cidadãos (principalmente negros das classes C, D e E) ficam sem conexão quase metade do mês. Estas são algumas das conclusões do estudo "O abismo digital no Brasil", realizado pela PwC Brasil em parceria com o Instituto Locomotiva. Clique aqui para conferir na íntegra.

"Os números mostram que a dependência do celular acaba por limitar as experiências de conexão de uma parcela grande da população, que não consegue aproveitar oportunidades de trabalho, estudo, negócios e desenvolvimento de novas habilidades que a Internet pode oferecer", diz o texto do trabalho.

Segundo a pesquisa, para controlar melhor o orçamento, 95,7 milhões de brasileiros que possuem celular têm planos pré-pagos e precisam usar dados apenas dentro dos limites preestabelecidos. As classes C,D e E representam 82% desse público.

Notícias relacionadas

Alguns outros números relevantes do estudo chamam ainda mais a atenção para a desigualdade de acesso no Brasil:

  • 20% da população brasileira têm acesso de qualidade à Internet, recurso fundamental para a educação e o desenvolvimento profissional
  • 60% dos brasileiros desconectados são das classes D e E
  • 21% dos alunos matriculados nas redes municipais e estaduais de educação básica estão em escolas sem acesso à banda larga

O estudo PwC/Instituto Locomotiva foi estruturado com base em duas pesquisas quantitativas feitas entre julho e agosto de 2021. Uma delas, realizada online, reúne uma amostra nacional de 1.754 usuários de internet, homens e mulheres, com 18 anos ou mais. A margem de erro é de 2,3 pontos percentuais. Na outra pesquisa, de caráter nacional, foram entrevistadas 2.300 pessoas, com 18 anos ou mais. Nesta, a margem de erro é de 1,9 ponto percentual. Os resultados foram ponderados por região segundo distribuição de gênero, faixa etária e escolaridade de internautas com 18 anos ou mais.

"A desigualdade de acesso à Internet que destacamos no nosso estudo não só reflete a disparidade socioeconômica do País como ajuda a reforçá-la. As consequências serão vistas no futuro em mais informalidade do mercado de trabalho, redução do índice de produtividade do país (que já é considerado baixo), atraso no desenvolvimento humano e profissional da próxima geração e redução do acesso a serviços públicos", diz análise dos pesquisadores responsáveis.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.