Google confia na própria infraestrutura e em parceria com grandes ISPs para OTT de games

Após o anúncio nesta semana do lançamento ainda este ano do serviço de cloud gaming Stadia, o Google tem sido reticente ao explicar como conseguirá entregar a experiência prometida. Em rodada de entrevistas com a imprensa internacional, o vice-presidente e gerente geral da companhia, Phill Harrison, explicou que não é por acaso que a plataforma over-the-top, que já vem sendo chamada de "Netflix dos games", não estará disponível em todo o mundo desde o primeiro dia de funcionamento, mas apenas nos Estados Unidos e na Europa. A questão está justamente na disponibilidade de conectividade ao usuário, o que pode ser um mau sinal para a chegada do serviço ao Brasil.

Harrison disse ao site Engadget que sabe que o Stadia não chegará a todo lugar, e que a empresa não está prometendo isso. O avanço da banda larga no mundo já acontece, e com velocidades cada vez maiores, mas ele entende que há algumas tecnologias que estão "um pouco acima do horizonte". O serviço OTT é um deles. 

A conexão necessária para a fase beta, o Project Stream (lançado em outubro de forma pública), necessita de uma velocidade de no mínimo 25 Mbps para transmitir um jogo com resolução de 1080p (Full HD) a 30 quadros por segundo (fps). Para o lançamento comercial do Stadia, a promessa é de games em 4K e 60 fps, além do sistema de cores HDR (que também consume mais dados na transmissão). Ao site The Verge, o executivo se recusou a responder se fatores como 5G e até remoção de franquia de dados poderiam remediar isso. Apenas ressaltou a infraestrutura própria. "A principal inovação que o Google traz às tecnologias de streaming de games é o poder de nossos data centers – o tecido da rede fundamental que está dentro dos data centers e a forma em que levamos os dados do data centers à sua casa por meio do seu ISP", declarou. Ele também destacou a arquitetura distribuída da rede, com os 7.500 edge node locations espalhados pelo mundo e conectados ao backbone da empresa. "Não podemos vencer [o limite da] velocidade da luz, mas podemos trapaceá-la o suficiente para podermos entregar uma experiência de desempenho muito, muito alto." 

Se por um lado o Google conta com a robustez das conexões com maiores velocidades nos mercados dos Estados Unidos e Europa, terá que lidar também com a questão da latência. Embora a velocidade média da banda larga fixa nos EUA seja de quase 100 Mbps, segundo a Ookla (96,25 Mbps de download e 32,88 Mbps de upload, em média, durante o segundo e terceiro trimestres do ano passado), a penetração da fibra ainda deixa de fora 70% do mercado americano, segundo dados de 2017 da agência reguladora Federal Communications Commission (FCC). Por isso, apesar de permitir o uso de qualquer periférico como mouse e teclados USB, a companhia vai comercializar um joystick próprio do OTT, que se conectará diretamente à Internet por meio de Wi-Fi. "Os componentes internos do controle Stadia são efetivamente um computador, que fala diretamente pelo Wi-Fi com o data center. Isso aumenta o desempenho, reduz a latência e tem um impacto direto positivo na jogabilidade. Então, essa foi uma decisão de design muito importante que tomamos no começo da criação dos componentes", disse o executivo.

O próprio relacionamento do Google com provedores de banda larga, pelo menos os maiores, ajudará na entrega da capacidade necessária. Harrison diz que a parceria com os grandes ISPs é parte fundamental do atual funcionamento da Internet atual, e que isso é um diferencial em relação a outros serviços de games OTT que já chegaram a ser lançados, mas acabaram não causando grande impacto (como o PlayStation Now, da Sony) ou foram descontinuados (como o OnLive). "Por 20 anos, o Google tem feito investimentos no tecido fundamental da Internet, a conexão de rede entre nossos data centers e a forma como eles se conectam. Somos uma empresa de hardware em data center há mais tempo do que somos uma companhia de hardware com o Google Home ou com smartphones. Isso nos dá vantagens de desempenho em termos da forma como os dados chegam ao ISP e como esses dados chegam a você, até sua casa", declarou ele ao Engadget. 

Contexto brasileiro

Como o serviço sequer tem data de lançamento estabelecida nos EUA e na Europa (apenas é certo que será ainda este ano), é difícil saber se e quando o Stadia chegaria ao Brasil. Uma resposta pouco otimista pode ser especulada ao se observar a penetração da banda larga fixa no Brasil. Segundo a pesquisa TIC Domicílios, do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), considerando todas as tecnologias, apenas 61% dos domicílios brasileiros tinham algum acesso à Internet em 2017, percentual que cai para 34% nas áreas rurais. Também há uma distribuição pior por região: no Nordeste e no Norte, apenas 48% e 49% dos domicílios tinham acesso, respectivamente. No Sudeste (69%), Centro-Oeste (68%) e Sul (60%), o percentual era mais da metade.

Ainda assim, há a questão da necessidade de uma conexão robusta. As conexões de fibra ou cabo de TV (ou seja, HFC) eram, juntas, 33% dos acessos fixos no País, ainda de acordo com a TIC Domicílios. Apesar de ser a tecnologia que mais avança, a fibra até a residência (FTTH) somava apenas 18,58% (ou 5,785 milhões de contratos) do total de acessos de banda larga fixa em janeiro deste ano – no total, o mercado brasileiro contava com 31,134 milhões de conexões, conforme os dados da Anatel. Além disso, desse total de contratos de banda larga fixa, apenas 27,24% (ou 8,481 milhões de acessos) eram com velocidade acima de 34 Mbps no Brasil. 

Como a tecnologia 4G não possui a latência necessária, a esperança poderia estar em uma eventual chegada da 5G. Mas o primeiro leilão só está previsto para o final do primeiro trimestre de 2020, e ainda há dúvidas a respeito de formatação dos lotes na faixa de 3,5 GHz, embora a agência estude a possibilidade outros espectros. Ainda assim, a rede móvel, mesmo que por meio de acesso fixo (FWA), não deverá ser um fator importante no Brasil pelo menos em curto e médio prazo.

Vale lembrar que no Brasil, há centenas de redes metropolitanas com pelo menos um edge node do Google, a maioria concentrada nos grandes centros urbanos. Por sua vez, os pontos de presença (PoP) edge da rede estão localizados em pontos de troca de tráfego (PTTs) apenas em São Paulo e no Rio de Janeiro. Porém, o único data center próprio do Google na América do Sul está localizado em Santiago, no Chile.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.