Nextel tinha limite de ágio e prepara-se para banda H

A participação da Nextel no leilão de freqüências de terceira geração foi ao mesmo tempo uma surpresa e também uma decepção para o mercado. Aparentemente a empresa entrara na licitação disposta a sair com alguns blocos, mas tudo que conseguiu no primeiro dia foi aumentar o ágio das concorrentes que não queriam abrir mão das novas licenças. Assim, quando abandonou a disputa no segundo dia, terça-feira, houve outro impacto para o resto do mercado que não participava diretamente das reuniões em Brasília. Por enquanto, a operadora frustrou seu objetivo de expandir os serviços atualmente centrados na tecnologia iDEN, da Motorola. Assim, pode ter a concorrência das operadoras móveis no serviço de push-to-talk, que é sua especialidade, mas não consegue competir com essas empresas na rede 3G, cuja possibilidade de novos serviços é fortemente atrativa para o segmento corporativo.
O próximo passo agora é disputar as freqüências do bloco H, admite o vice-presidente de marketing da Nextel, Mario Carotti. O leilão está previsto para o primeiro semestre de 2008. Enquanto isto, por que não tentar compartilhar a rede 3G de outra operadora? Carotti prefere não revelar a estratégia, por enquanto. Como não fica claro o caminho para evolução da rede atual, a explicação é que a Nextel não trata a 3G como uma evolução, e sim como adição ao serviço oferecido aos clientes, com banda larga e aplicativos de negócios, por exemplo.
A empresa foi criticada no mercado por ter feito lances tímidos diante da voracidade da concorrência e, por fim, desistir do embate. A explicação do vice-presidente de assuntos regulatórios e jurídico, Alfredo Ferrari, é que o business plan da operadora não suportaria um investimento maior que o planejado para a nova tecnologia – porém não revelou o montante. Desta forma, os lances não teriam sido mais ousados para respeitar as metas pré-estabelecidas. ?Tínhamos business cases que estabeleciam limite para ágio. Por isto paramos de dar lances?, argumentou.
Ferrari também não aceita que a Nextel seja responsável pelo aumento do ágio na venda de licenças no primeiro dia do leilão: ?Cada operadora tem o seu limite. Nós obedecemos ao nosso.? E ainda sobre os rumores de que haveria outra empresa por trás de seus lances, o executivo negou e disse que somente a NII, sua controladora, estaria na retaguarda.

Encruzilhada internacional

A tecnologia iDEN, na verdade, encontra-se numa encruzilhada global. Antes tida como uma vantagem para quem a operasse, depois encontrou obstáculos. Não expandiu para tantos mercados quanto sua desenvolvedora, a Motorola, esperava, desmotivando investimentos, e seu futuro ficou obscuro depois do grande salto que deu em meados da década de 90. Mais recentemente a Motorola consegiu penetrar em novos mercados, como a Índia, e assim se viu motivada a continuar os investimentos na tecnologia e em novos dispositivos. Entretanto, trata-se de uma tecnologia de banda estreita e, portanto, não tem grandes evoluções para serviços de dados. Mas para a Motorola, o que interessa é que para os clientes funcionem bem serviços como o PTT, leitura de código de barras e o sistema de posicionamento global (GPS). Para analistas, a Motorola não está tentando incluir recursos de internet rápida no serviço, mas teria outros meios agressivos para competir.
A Telus, baseada em Vancouver, no Canadá, e a Spring Nextel Corp., nos Estados Unidos, são grandes usuárias da tecnologia da Motorola. A Telus não tem planos de interromper a operação da rede iDEN por muito tempo, segundo seus executivos informaram num seminário internacional de telecomunicações recentemente. Entretanto, a operadora disse que está migrando parte dos clientes que usam muitos serviços de dados para PCS, apesar de não revelar números.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.