BrT só deve operar SMP em 2004

As aquisições feitas pela Brasil Telecom (BrT) no leilão de sobras do SMP parecem confirmar a sua estratégia de se concentrar na própria área onde atua em telefonia fixa. A telefonia móvel entraria como um serviço complementar a seus clientes ? especialmente corporativos.
Haveria uma dupla vantagem nessa operação: por estar localizada na sua própria área de atuação, a empresa poderia ter um aproveitamento maior da rede já montada, o que implicaria investimentos relativamente menores que os das outras companhias. Além disso, teria economia significativa com interconexões.
A dúvida é quando e em que ritmo a BrT faria seus investimentos. Se quiser entrar logo no mercado, terá que antecipar as metas de universalização. Principalmente as caras e pouco rentáveis metas de telefonia pública e de atendimento a regiões mais carentes (e mais sujeitas a inadimplência). Teria, portanto, que ampliar os desembolsos, enfraquecendo seu caixa e pondo em risco a sua rentabilidade. A outra alternativa seria não antecipar metas e investir aos poucos para operar em meados de 2004. O risco aqui é a perda de espaço para os outros concorrentes, principalmente se houver uma recuperação mais rápida da economia.

Notícias relacionadas
O mais provável é que a BrT opte pela segunda hipótese baseada em um cenário de recuperação mais lenta da economia brasileira, com taxas de juros e de câmbio ainda altas. E como fica o acordo com a Telecom Itália, já que a entrada da BrT na telefonia móvel impede a volta dos antigos sócios ao controle da companhia? Diferentes fontes asseguram que os italianos já não têm interesse nesse retorno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.