Vivendi ainda não decidiu se eleva a proposta pela GVT, diz fonte

Fonte familiar com a negociação de compra da GVT informou que a Vivendi ainda não decidiu se elevará a oferta feita pela Telefónica. No entanto, a operadora tem mantido contato com o a imprensa brasileira, o que é um indício de interesse no país.
Em 09 de setembro a Vivendi ofereceu R$ 42 por ação, o que equivale a uma oferta de R$ 5,4 bilhões pela totalidade das ações da GVT. Um mês depois a Telefónica contra-atacou com uma oferta de R$ 48 por ação e já agendou uma data para a oferta pública: dia 19 de novembro. "Não temos pressa, temos um mês para analisar", disse a fonte. "O que não vamos fazer é entrar em uma guerra de preço ou colocar em risco nossa política de dividendos", completou.
Se a Vivendi optar por fazer uma nova oferta, conforme norma da CVM, esta deverá ser 5% maior que a proposta da Telefónica, o que equivale a pelo menos R$ 50,40. Dentro destas condições, um cenário surge como imediatamente possível para o caso, ainda que improvável: a Vivendi pode fazer valer seu acordo com os acionistas controladores da GVT e comprar a fatia deles – que é de cerca de 30% – por R$ 42. Depois disso, a Vivendi se tornaria sócia da Telefónica no negócio, ou poderia revender essas ações para a Telefónica.

Notícias relacionadas
Essa é uma hipótese, entretanto, que tem poucas chances de acontecer porque a Vivendi não tem interesse em colocar em risco o bom relacionamento com os controladores da GVT, obrigando-os a venderem suas ações por um preço mais baixo. Além disso, a Vivendi não tem interesse em ser minoritária na GVT, dizem as fontes que falaram com esse noticiário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.