Publicidade
Início Newsletter Claro, TIM e Vivo levam ao Cade exemplos semelhantes ao fatiamento da...

Claro, TIM e Vivo levam ao Cade exemplos semelhantes ao fatiamento da Oi Móvel

Foto: Pexels

Claro, TIM e Vivo apresentaram nesta quinta-feira, 19, ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) manifestação em que apresentam casos de fusões de empresas de telecomunicações julgados pela Comissão Europeia e pelo Tribunal Geral da União Europeia. A intenção foi mostrar para o órgão que o caso da aquisição da Oi Móvel pelas três operadoras é um fenômeno também visto em outros mercados.

“A proposta é trazer esclarecimentos com o objetivo de contribuir para a analise da Operação Proposta, bem como de afastar informações imprecisas trazidas por terceiros habilitados no âmbito deste Ato de Concentração”, afirmaram as teles no documento.

Na manifestação é dito que ao longo da última década a Comissão Europeia avaliou diversas operações econômicas que envolviam concentrações no setor de telecomunicações – mais especificamente no segmento de telefonia móvel, incluindo operações que implicaram a redução no número das principais operadoras móveis existentes no mercado, as chamadas operações “de quatro para três” (four-to-three mergers).

Notícias relacionadas

Claro, Vivo e TIM explicam que a Comissão Europeia aprovou as operações da H3G e Orange, na Áustria em 2012; da H3G UK e a Telefónica Ireland, em 2014; da Telefónica Deutschland e a E-plus, em 2015; da Hutchison 3G ltaly com a Wind e JV, em 2016; e da T-Moblle Netherlands com Tele 2 Netherlands, em 2018.

“Nesse período, uma única operação foi bloqueada – o caso Hutchison 3G UK/Telefónica UK, em 2016, e outra foi cancelada pelas partes, a da TeliaSonera com a Telenor, em 2015. Mesmo no que diz respeito à única operação que foi originalmente bloqueada pela CE (Caso Hutchison 3G UK/Telefonica UK “Caso CK Telecom”) é importante registrar que, em maio de 2020, tal decisão de reprovação foi integralmente revertida pelo Tribunal Geral da União Europeia”, explicam as operadoras adquirentes da Oi Móvel ao Cade.

O caso da Oi Móvel

As teles reforçam a tese de que a aquisição da Oi Móvel aumentará a intensa rivalidade existente no mercado de Serviço Móvel Pessoal (SMP), alegando que isso permitiria uma “competição efetiva”. As operadoras acrescentam ainda que, excluindo as características do mercado, a operação da Oi Móvel sob análise do Cade possui similaridades com as operações que, na Europa, foram aprovadas sem restrições.

“Além disso, é importante notar que mesmo o Caso CK Telecom teve, como já dito, a decisão de reprovação revertida pelo Tribunal Geral, em decisão que fixou importantes parâmetros de análise, os quais, se aplicados a este caso [da Oi Móvel], também resultariam, certamente, na aprovação sem restrições”, explicam Claro, TIM e Vivo na manifestação.

Operação complexa

Em uma decisão proferida no final de julho, a Superintendência-Geral (SG) do Cade proferiu parecer apontando que a aquisição da Oi Móvel pelas operadoras Claro, TIM e Vivo se trata de uma operação complexa. Por isso, exigiu a realização das diligências, conforme relatório da área técnica da SG. Conforme o parecer, a SG apontou que as informações às quais teve acesso mostram que a compra da Oi Móvel pelas três operadoras resulta em importante sobreposição horizontal no mercado relevante de Serviço Móvel Pessoal.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile