Em São Paulo, 33% das ERBs da TIM estão em situação irregular

Antena de celular
Foto: Bruno do Amaral

Prestando depoimento à CPI das Antenas da Câmara Municipal de São Paulo nesta terça-feira, 20, a TIM revelou que na capital paulista, 502 das 1.505 estações radiobase (ERBs) utilizadas pela empresa ainda precisam ser regularizadas junto à cidade (ou 33% do total). Até o momento, o cenário resultou em 113 processos de execução fiscal contra a operadora no valor de R$ 3,2 milhões.

As informações foram compartilhadas pelo presidente da TIM Brasil Serviços e Participações (controladora da TIM), Mario Girasole, em mais uma reunião da CPI marcada pela pressão para que operadoras de telecom quitem débitos com a cidade como contrapartida para uma nova legislação para a instalação de antenas. Na ocasião, os vereadores paulistanos mencionaram R$ 5,3 milhões devidos pela TIM à cidade (depois reconhecidos pela empresa como a dívida ativa não necessariamente relacionada com irregularidades em ERBs) e mais de R$ 40 milhões se considerado todo o setor.

Questionado sobre a propensão da operadora em celebrar termo de ajustamento de conduta (TAC) para sanar os valores, Girasole argumentou que a TIM vê o dispositivo "como uma forma de simplificar e superar o passado, mas também de pavimentar o futuro para que São Paulo se torne uma grande capital digital". "A nova legislação está absolutamente atrelada, então não dá para ter termo de ajustamento de conduta sem que a nova lei permita novas condutas conforme a atualização tecnológica"; entre os novos formatos necessários estão small cells e os biosites (antenas "camufladas" no mobiliário urbano).

A TIM reiterou que entre os grandes impeditivos para um maior número de ERBs na cidade estão regras como a que exige largura maior que dez metros na via que receberá a instalação. Na ocasião, Girasole lembrou que em outras metrópoles a densidade da infraestrutura é bem maior. "Em Roma, mesmo sendo uma cidade com características de arquitetura que impõem certo cuidado, há uma antena para cada 4,5 mil habitantes. Em São Paulo é uma antena para cada 9 mil".

"Na Itália, desde 2010, para instalar uma antena a empresa transmite para administração municipal uma declaração de início de atividade", prosseguiu o executivo da TIM. "Nela, se colocam todas as certificações devidas e, a partir do protocolo, pode-se começar a construir a infraestrutura. Foi uma medida de liberalização adotada há mais ou menos dez anos, mas claro que depois a administração toma todas as medidas fiscalizadoras e sancionadoras, caso necessário".

Compartilhamento

A relação das teles com as gestoras de torres (ou tower companies) também foi foco de questionamentos durante a CPI. Segundo a TIM, dentro do parque de 1.505 ERBs da operadora em São Paulo, 404 são próprias (sendo 309 regularizadas), contra 1.101 detidas por terceiros, com destaque para a American Tower – que adquiriu dois lotes de torres da operadora em 2014 por cerca de R$ 3 bilhões.

Por último, os vereadores também questionaram o volume de impostos pago pela empresa diretamente à cidade: após serem informados que a TIM recolheu R$ 2,8 milhões em Imposto Sobre Serviços (ISS) ao longo de 2018, os membros da CPI aprovaram requerimento para que as outras empresas também divulguem valores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.