Belkin investe no Brasil com soluções Wi-Fi

De olho no crescente mercado brasileiro, a fabricante norte-americana Belkin decidiu começar a investir mais no País e explorar o potencial para soluções Wi-Fi, incluindo ferramentas para casa conectada. Mas a companhia reconhece os desafios a serem superados, como impostos, educação sobre produtos sem fio e mesmo infraestrutura de rede defasada para os consumidores.

Notícias relacionadas
Um dos produtos que a empresa pretende trazer ao Brasil até o final do primeiro semestre de 2013 é o WeMo, um dispositivo conectado à Internet que permite gerenciar produtos eletrônicos à distância por meio de um aplicativo para iOS. O aparelho, que se conecta entre a tomada na parede e o eletrônico, permite o controle remoto para, por exemplo, desligar um abajur. É possível também programar o WeMo para o desligamento de um videogame no quarto das crianças após determinado horário. Trata-se de um conceito simples de casa conectada, mas que poderá chegar ao Brasil com um preço mais acessível do que soluções maiores. "Acho que ficará de três a três vezes e meia o preço norte-americano, temos impostos e logística", justifica o country manager da Belkin no Brasil, Wagner Fontenele, citando o valor inicial de US$ 50 do produto nos Estados Unidos. "Queremos manter em um preço razoável".

Outra aposta é em uma linha de roteadores sem fio, baseada em três produtos: de entrada, para o consumidor médio e um de alto padrão. Este último será o N600, que deverá chegar ao mercado brasileiro até o final do ano, oferecendo banda dupla (de 2,4 GHz e 5 GHz) para ambientes maiores ou de maior exigência de conexão, contando com uma ferramenta chamada de Intellistreaming que permite downloads mais rápidos para vídeos, eliminando o tempo gasto com o buffer automaticamente.

Em um futuro próximo, após o lançamento nos Estados Unidos, um roteador com a banda 802.11ac também deverá chegar mercado nacional, oferecendo ainda mais velocidade sem fio, embora ainda não existam muitos aparelhos capazes de aproveitar toda a conectividade dessa especificação. "Há demanda para mais banda larga no Brasil, esse produto será para isso", garante o vice-presidente para as Américas da Belkin, Thomas Park. "Vamos falar com os consumidores, para eles entenderem a diferença entre os aparelhos e falar muito claramente sobre o porquê da necessidade de Wi-Fi", diz, embora reconheça problemas também com a oferta de banda larga e a infraestrutura em geral. 

Planos

A estratégia da Belkin para venda no mercado nacional é em parceria com duas Apple Premium Resellers (APR), a iPlace e a A2You, além de iniciativas no e-commerce e com o grupo VarejoInfo. A visita de Park ao País é justamente por conta da expectativa de performance da empresa na região, com planos também para expandir para o mercado corporativo eventualmente. "Este ano será uma boa oportunidade para investimentos na América do Sul e queremos dobrar os números de crescimento no Brasil", afirma, sem divulgar valores exatos. 

Segundo o executivo, os planos são de investir ainda mais, contratando mais funcionários, estabelecendo relacionamentos com empresas de varejo como Fnac e Walmart (com o qual já trabalham em outros países) e trazer produtos ao mercado brasileiro mais rápido. "Queremos gastar aqui, vemos o País como um ótimo mercado. Não vemos nossos competidores aqui da mesma forma", analisa Park.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.