Anatel alivia sanção e apenas adverte a Surf Telecom por uso do 2,5 GHz

Instalação de uma das primeiras antenas da Surf Telecom, na periferia de São Paulo. Foto: Divulgação

A Anatel decidiu atenuar a sanção que previa a caducidade do direito de uso de espectro do 4G detido pela Surf Telecom, substituindo agora por uma sanção de advertência, considerado de gravidade média. O acordão publicado no Diário Oficial da União desta segunda-feira, 20, é referente à decisão unânime tomada pelo Conselho Diretor na última reunião, no início do mês.

Inicialmente, a Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação (SOR) da agência havia constatado que a operadora não teria entrado em operação com as a faixa de 2.500 MHz, adquirida no leilão de sobras de 2015 pela EUTV, que depois foi comprada pela companhia. Contudo, o Conselho Diretor aceitou argumentos de que a extinção da outorga poderia ser substituída por uma sanção "menos gravosa", conforme prevê o art. 24 do Regulamento de sanções (RASA) e em conformidade com o Regulamento de Uso de Espectro (RUE).

O procedimento para apuração de descumprimento de obrigações (Pado) original foi de agosto de 2019, mas com uma defesa já apresentada pela Surf no mês seguinte, alegando que a instalação de estações radiobase na faixa de 2,5 GHz em Diadema e Mauá, em São Paulo, tinha sido feita em dezembro de 2018. Disse ainda que, por conta de "pendência administrativa" com o Fistel, houve impedimento de cadastro dessas ERBs, o que só ocorreu em janeiro do ano seguinte, "após muito esforço".

Notícias relacionadas

Segundo apresentou em carta à Anatel no dia 20 de março de 2020, a Surf diz que "tinha adimplido com todas as suas obrigações contratuais antes do prazo limite, e já tinha até mesmo contrato firmado com cliente tanto em Diadema como em Mauá". Mais de dois anos depois, em 12 de abril deste ano, a matéria foi finalmente apreciada pelo Conselho Diretor, chegando à decisão em 7 de junho deste ano.

Arbitragem

Na semana passada, a Surf Telecom perdeu uma disputa em arbitragem internacional para a fornecedora de Cingapura, Plintron, de quem a Surf tinha apresentado queixa crime em agosto de 2020. A operadora brasileira foi condenada a pagar todas as faturas pendentes, incluindo juros e indenizações aplicáveis à violação de contrato, mas com valores não divulgados, de acordo com reportagem da agência de notícias Reuters. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.