Anatel edita cautelar para evitar alienação de imóveis da Oi

(Atualizada às 00:10) A Anatel preparava na noite desta segunda, dia 20, como uma das medidas após a Oi anunciar o início do processo de sua recuperação judicial, a edição de uma cautelar com algumas obrigações à operadora. A mais importante é a proibição da alienação de bens móveis e imóveis da operadora ou qualquer subsidiária, controladora ou empresas controladas.  Outra medida é a criação de um grupo de acompanhamento e gestão de crise. A Anatel também pedirá ao mesmo Juiz responsável pelo processo judicial para se parte do processo. Essas medidas são preliminares e outras podem ser tomadas. Não existe previsão, por enquanto, de um encaminhamento no sentido de uma intervenção na empresa, pois o entendimento é que a crise da companhia não está afetando a sua operação e nem comprometendo o funcionamento do sistema de telecomunicações por meio de dificuldades de interconexão com o sistema.

Segundo apurou este noticiário, a Anatel ainda coletava algumas informações importantes que seriam necessárias ao esclarecimento público. Por exemplo, a agência não tem ideia sobre quem assinaria o acordo de TAC da empresa (se o administrador nomeado pelo Juiz ou se o presidente da empresa). Também não há certeza se o recebimento dos tributos coletados pela Anatel segue o fluxo normal. Também não há clareza se o processo de aplicações de multas e PADOs na empresa segue o rito tradicional durante o pedido de recuperação judicial. Tudo isso ainda está sendo estudado pela Anatel.

Notícias relacionadas

Sobre a alienação de imóveis, vale lembrar que a própria Oi apresentou aos credores uma relação de 7,6 mil imóveis controlados pela empresa, dos quais 98% são listados como bens reversíveis, ou seja, que precisam da anuência prévia da Anatel para serem alienados.

Cautelar

A agência confirmou a edição da cautelar no começo da madrugada desta terça, dia 21. O texto publicado pela agência é o seguinte:

"Em relação ao fato relevante divulgado hoje pela Oi a respeito do pedido de recuperação judicial apresentado pelo Grupo, a Anatel informa que o seu Conselho Diretor decidiu:

a) suspender cautelarmente qualquer alienação ou oneração de bens móveis e imóveis integrantes de patrimônio das concessionárias, bem como de suas controladoras, controladas e coligadas, sem aprovação prévia pela Agência;

b) adotar ações específicas de fiscalização que assegurem a manutenção das condições operacionais das empresas e a proteção dos usuários.

A Anatel acompanha com atenção, por meio de processo específico, o desenrolar dos acontecimentos relativos às empresas da Oi e decidiu, neste momento, não intervir na condução feita pelos executivos do Grupo por acreditar na possibilidade de um desfecho que signifique a efetiva recuperação do equilíbrio econômico-financeiro das prestadoras.

A Agência confia no comprometimento dos agentes envolvidos e na capacidade do Poder Judiciário em encontrar a melhor solução para os problemas que motivaram o pedido de recuperação judicial e, na sua esfera de competência, contribuirá ativamente para o seu êxito. Entretanto, caso se faça necessário, adotará outras medidas objetivando a proteção do interesse público e dos direitos dos consumidores, bem como a estabilidade sistêmica do setor de telecomunicações brasileiro.

A Anatel encaminhará sua decisão ao juiz responsável pelo processo de recuperação judicial, por intermédio de sua Procuradoria."

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.