Google suspende licença do Android dos celulares da Huawei

[Publicado originalmente no Mobile Time] O Google anunciou no último domingo, 19, a rescisão da licença do Android da Huawei. A empresa norte-americana vai suspender o acesso a atualizações de seu sistema operacional em novos aparelhos da chinesa. O gigante das buscas disse que os usuários de smartphones da Huawei poderão continuar a usar e baixar atualizações de aplicativos, mas a próxima versão dos smartphones do fornecedor não terá mais acesso aos aplicativos e serviços, disse à Reuters, primeira a informar sobre o caso. Um representante disse à agência de notícias: "Estamos cumprindo a ordem e analisando as implicações." A notícia é consequência à declaração estado de emergência nacional do governo Trump na semana passada.

Os usuários poderão usar a loja de aplicativos do Android, a Google Play, assim como o Google Play Protect, detector de malware integrado que usa aprendizado de máquina para identificar e eliminar aplicativos desonestos. Porém, ainda não está claro se a gigante chinesa será capaz de usar a versão completa do Android em seus telefones futuros.

Resposta

A Huawei enviou seu posicionamento sobre a suspensão do contrato com o Google. De acordo com a empresa, a chinesa é um dos principais parceiros globais do Android, continuará trabalhando de perto com a plataforma de código aberto para desenvolver o ecossistema e que fornecerá atualizações de segurança e serviços de pós-venda "para todos os produtos Huawei, cobrindo todos aqueles que já foram vendidos ou ainda estão em estoque."

Confira o posicionamento na íntegra:

A Huawei tem feito contribuições substanciais para o desenvolvimento e crescimento do Android em todo o mundo. Como um dos principais parceiros globais do Android, trabalhamos de perto com a plataforma de código aberto para desenvolver um ecossistema que tem beneficiado tanto usuários quanto o setor. A Huawei continuará a fornecer atualizações de segurança e serviços de pós-venda para todos os produtos Huawei, cobrindo todos aqueles que já foram vendidos ou ainda estão em estoque. Continuaremos empenhados em construir um ecossistema de software seguro e sustentável, a fim de fornecer a melhor experiência para todos os nossos usuários globalmente.

Efeitos

Um especialista do mercado de dispositivos móveis apontou para uma série de problemas no ecossistema mobile brasileiro e mundial em consequência da decisão do governo norte-americano em colocar a Huawei numa lista negra. O primeiro deles é na relação do Google com as fabricantes de smartphones. Embora seja uma decisão governamental que o Google precisou aceitar, a ação de banir parte do acesso da Huawei ao OS pode danificar a imagem do Google perante seus parceiros. Algo que pode permitir uma nova corrida das companhias rumo ao próprio sistema operacional, em detrimento do Android.

"O foco é Huawei hoje. Mas o Google Android representa de 80% a 90% do mercado. Todo mercado de fato começa a sentir a retaliação que o Trump fez. Acredito que as fabricantes podem apostar em suas próprias soluções, a Samsung com o Tizen e a Xiaomi com a MI, por exemplo. Em smartwatch isso já acontece há um bom tempo, Huawei, Xiaomi, Garmin, Samsung, já lançam relógios sem o Google", disse o executivo que preferiu não ser identificado.  "O ponto é que isso impacta mais no investimento em uma fabricante. Até que ponto todo esse ecossistema (dispositivo, UI, OS) não impacta o preço do consumidor final? Estamos em um momento de aumento por mais câmeras e por outras melhorias nos aparelhos".

Outra questão é que, assim como Samsung e Xiaomi, a Huawei também vem se preparando para lançar o seu próprio sistema operacional que pode sair no seu próximo handset, o Mate X. Além disso, a companhia chinesa estava trabalhando com o cenário de proibição de acesso ao Android, e pode ter acesso às funções do sistema operacional via Android Open Source, o programa aberto do Google. Contudo, a atualização nesse programa é mais lenta do que a relação direta entre Google e fabricantes, e, com isso, atrasar lançamentos de novos smartphones da Huawei.

O especialista lembrou que Huawei está em um momento de crescimento mundial com o objetivo de se tornar a líder do mercado de smartphone em 2020, focando em passar Samsung e Apple através da expansão para países emergentes com Índia e Brasil. Ressaltou que, embora cause impacto ao consumidor premium brasileiro, que tem acesso às informações, a ação de Trump pode ser uma oportunidade para a fabricante alcançar outros públicos.

"Os consumidores que aderiram à marca Huawei no Brasil, são consumidores mais ligados à informação do mercado. Eles buscam dados em sites e canais especializados e também têm acesso a essas informações políticas. Ou seja, ela bate de frente com o consumidor premium", explicou a fonte. "Por outro lado, isto pode ser benéfico para a Huawei, pois eles não têm grande visibilidade no mercado local. Eles podem fazer uma estratégia para reverter essa situação. Como dizer algo como "estamos chegando no mercado com um OS próprio e novo".

Vendas globais

A briga pelo segundo lugar nas vendas globais de smartphones anda acirrada entre Apple e Huawei. Mantendo a primeira posição em vendas ao varejo, a Samsung terminou o primeiro trimestre de 2019 com 71,9 milhões de celulares enviados ao mercado, ficando com 23,1% de fatia do mercado de handsets. Já a Huawei, agora novamente em segundo, 59,1 milhões, ficou com 19% do market share, de acordo com a última pesquisa da IDC. Já a Apple, acabou se distanciando e enviou ao varejo 36,4 milhões de smartphones, chegando a 11,7% do market share.

De acordo com a Gartner, a Huawei vendeu 202,901 milhões de smartphones em todo o mundo em 2018 e ficou em terceiro lugar e, número de vendas. Já a Apple, vendeu um pouco mais – e isso facilitou a chinesa ultrapassar a norte-americana –, 209,048 milhões. Em primeiro lugar, e longe de ser ameaçada, está a Samsung, com 295,043 milhões de celulares vendidos ao varejo em 2018.

O site Statista montou um gráfico sobre o crescimento da Huawei no mundo. Em 2010, a chinesa tinha apenas 1,5% de fatia de mercado global de smartphones. Seis anos depois, cresceu para 8,9% e, em 2018 terminou o ano com 13% do market share. Essa rápida ascensão pode estar ameaçada depois do banimento da Google.

De acordo com o site Statista, em oito anos a Huawei cresceu 11,5 pontos percentuais em market share

Reação

Também ouvido por Mobile Time, Renato Meirelles, analista de mercado mobile e devices da IDC no Brasil, alertou que a ação do presidente Donald Trump atinge inicialmente o crescimento do mercado chinês, mas pode afetar as empresas norte-americanas. Em sua visão, se a guerra comercial escalar,vai haver um aumento das alíquotas chinesas nas compras americanas.

Em contrapartida, o analista da IDC espera que um dos lados possa ceder nesta guerra comercial. Para isso, ele frisou que é necessário um esforço de todo ecossistema mobile norte-americano para mostrar o prejuízo que ação impetrada por Trump pode fazer à economia dos EUA e do resto do planeta.

Análise

O anúncio pode ser um grande revés para a Huawei e deve, efetivamente, causar sérios danos em seu negócio de vendas de smartphones. Vale lembrar que a chinesa acabou de voltar ao Brasil e lançou recentemente dois modelos de celulares: o P30 Pro, grande atração e forte concorrente do iPhone XS, e o P30 Lite.

Embora a Huawei não possa ser proibida de usar a versão open source do Android para criar seu próprio sistema operacional baseado no código Android, a empresa, num futuro não muito distante, deixará de ter acesso à Play Store do Google e à sua popular linha de aplicativos (o que inclui YouTube, Gmail, Google Maps entre outros). Isso limitaria severamente o apelo dos dispositivos Huawei, especialmente para clientes fora da China, onde a maioria dos serviços do Google já são banidos de qualquer maneira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.