Publicidade
Início Newsletter Vivo tem receita de R$ 52 bilhões em 2023, alta de 8,4%

Vivo tem receita de R$ 52 bilhões em 2023, alta de 8,4%

Loja da operadora Vivo. Foto: Divulgação

A Vivo divulgou na noite desta terça-feira, 20, os resultados operacionais do grupo no último trimestre de 2023 e no consolidado do ano passado. Em doze meses, a companhia somou receita operacional líquida de R$ 52,1 bilhões, ou alta de 8,4% em um ano impulsionada principalmente pela receita de serviço móvel.

Também no acumulado de 2023, a maior operadora de telecomunicações brasileira em termos de faturamento somou lucro líquido de R$ 5,029 bilhões. Neste caso, o avanço registrado na comparação com 2022 foi de 23,1%, aponta o balanço.

Já em termos de lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda), a Vivo apurou R$ 21,318 bilhões no total do ano passado. Essa cifra representa alta de 10,6%, com margem Ebitda de 40,9% na média de 2023.

Notícias relacionadas

Se analisados apenas os resultados do quarto trimestre, a margem Ebitda já batia 42,5%. A receita da Vivo no quarto final de 2023 somou R$ 13,53 bilhões (alta de 6,9%) e o lucro líquido, R$ 1,60 bilhão (+42% de alta frente ao mesmo período do ano anterior). Já o Ebitda no quarto tri foi de R$ 5,75 bilhões (+9,9%).

Móvel

A Vivo encerrou 2023 com 113 milhões de acessos, dos quais 99 milhões eram acessos móveis e 61,8 milhões, celulares pós-pagos. A receita com o segmento móvel no ano passado foi de R$ 36,669 bilhões, ou alta de 10,9% que sustentou boa parte do crescimento da tele no ano.

Na divisão por modalidades, o negócio pós-pago gerou R$ 27,319 bilhões no ano, em salto de 13,1%. No pré-pago a dinâmica foi distinta, com R$ 4,897 bilhões em receitas e salto de apenas 1,5% (a empresa tem 37 milhões de clientes com o perfil).

“O forte desempenho do pós-pago está relacionado ao aumento da base de clientes, tanto por migrações do pré-pago como pela aquisição de novos clientes, e aos reajustes anuais de preço”, reiterou a tele. No quarto trimestre a empresa reportou o maior valor de receita média por usuário (ARPU) do pós-pago nos últimos quatro anos: R$ 51,3 (+8,1% a/a), sem contar acessos M2M.

Outro segmento que cresceu em 2023 foi a venda de dispositivos eletrônicos (entre eles, handsets), que somou R$ 3,453 bilhões em 2023, em alta de 11% impulsionada pela venda de smartphones 5G (que já representam 89% dos celulares vendidos pela empresa).

Fixo

A receita fixa da Vivo cresceu 3,1% no acumulado de 2023, para R$ 15,432 bilhões. A empresa destacou uma “tendência positiva” para o negócio, que cresceu 3,5% no último trimestre do ano passado.

O destaque no fixo é a operação de fibra óptica (FTTH), que somou R$ 6,195 bilhões em 2023, ou salto de 16% no ano. Aqui também houve aceleração no quarto tri, quando a vertical cresceu 16,5% (para R$ 1,627 bilhão). Além do aumento de 13% na base de clientes, reajustes de preços também influenciaram.

“O ARPU de FTTH apresentou incremento de 3,0% a/a, atingindo R$ 89,1 no trimestre. Em 2023, expandimos nossa rede de FTTH para 2,9 milhões de novos domicílios, conectamos 692 mil novos clientes e chegamos a 34 novas cidades, totalizando a cobertura da tecnologia em 443 municípios”, destacou o balanço da Vivo. A empresa tinha 26,2 milhões de casas passadas com fibra em dezembro, em alta de 12% no ano passado.

Outro destaque do balanço da operadora foi a vertical de dados corporativos e TICs, que reúne ofertas B2B da companhia. O negócio cresceu 15,7% no ano de 2023, somando R$ 4,30 bilhões em receitas.

Por outro lado, os negócios legados que a Vivo considera receitas fixas não-core (voz fixa, rede de cobre e TV por assinatura via satélite – DTH) recuaram 18% em 2023, somando uma receita de R$ 3,190 bilhões

Investimentos e custos

Como já adiantado pela companhia, os investimentos da Vivo caíram em 2023, para R$ 8,96 bilhões. Isso representa recuo de 6%, sendo que no quarto trimestre a queda foi de 7,8% (para R$ 2,295 bilhões)

Já em termos de custos totais, houve uma alta de 7% na linha ao longo de 2023, para R$ 30,782 bilhões em função da maior atividade comercial do período. No quarto trimestre o salto era menor, de 4,8%.

Na soma de todos os números, a Vivo somou um fluxo de caixa operacional de R$ 12,358 bilhões em 2023, ou alta de 26,7%. Já o fluxo de caixa livre do acumulado do exercício foi de R$ 8,148 bilhões (+11,8%).

Em 2023, a Vivo ainda pagou R$ 4,8 bilhões em proventos, sendo R$ 2,5 bilhões em juros sobre capital próprio, R$ 1,9 bilhão em dividendos e R$ 489 milhões em recompras de ações. Para os próximos anos, entre 2024 e 2026, a Vivo tem o compromisso de distribuição de recursos aos acionistas em um valor igual ou superior a 100% do lucro líquido desses anos.

(Matéria atualizada para correção dos dados de investimentos da Vivo)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile