Enquanto Anatel avança com regulamentação responsiva, teles abrem debate sobre autorregulação

A Anatel está determinada a mudar seu modelo regulatório, abandonando aos poucos a sua tradição de estabelecer o ambiente normativo no modelo de comando e controle, baseado em um grande número de regras e sanções, para um modelo responsivo e por incentivos, em que as empresas passam a dar respostas para os problemas apontados pela agência antes de serem obrigadas pelo regulador a agir. Ao mesmo tempo, as operadoras de telecomunicações começam a discutir, de maneira mais sistemática, uma proposta para um modelo de autorregulação. O tema foi apresentado durante o Seminário de Políticas de (Tele)Comunicações, realizado pela TELETIME e pelo Centro de Políticas, Direito, Economia e Tecnologias de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB) na última terça, 19.

Para Karla Crosara, superintendente executiva da Anatel, o modelo de comando e controle praticado pela agência gerou, apenas entre 2008 e 2017, nada menos do que 31,9 mil PADOs, 4,6 bilhões de multas aplicadas e R$ 693 milhões de multas arrecadadas, mas com elevados índices de judicialização e pouca efetividade em termos de melhoria de indicadores. A agência começou a estudar a possibilidade de mudar o seu modelo regulatório em 2016, e o passo mais importante deve ser dado com o Regulamento de Fiscalização Regulatória, agora em processo de consulta pública. "Entendemos que apenas com incentivos passaremos a ter respostas positivas do mercado".

A mudança é complicada, contudo. "Instaurar processos é muito mais fácil do que dialogar", lembra Crosara, e o modelo de regulação por incentivos pressupõem muita conversa e argumentação com os entes regulados.  Ela explica que uma vez aprovado o Regulamento de Fiscalização Regulatória, os princípios da regulação por incentivo começarão a aparecer nos futuros regulamentos, alguns deles já na agenda de revisão, como o Regulamento Geral de Qualidade e o Regulamento de Direitos do Consumidor.

A agência já passou por algumas experiências no modelo de regulação incentivada. Um deles foi a iniciativa para reduzir os índices de reclamação por conta da  contratação não autorizada de Serviços de Valor Adicionado. A partir do momento em que a Anatel e as empresas entraram em um entendimento sobre medidas de boas práticas, os índices de reclamação tiveram quedas significativas.

Mas a mudança do modelo baseado na regulação, fiscalização e sanções por um modelo baseado na desregulamentação, acompanhamento, análise, incentivos e ajustes passa necessariamente pelo "comprometimento dos atores", segundo Carla Krosara. Entre os incentivos estão a possibilidade de reparações aos usuários, advertências, obrigações de investimento casadas com políticas públicas e celebração de termos de conformidade.

Autorregulação

Ao mesmo tempo, as empresas de telecomunicações se movimentam para apresentar um modelo de autorregulação próprio. Para o consultor José Bicalho, existem modelos que podem servir de inspiração para o setor de telecomunicações, como a autorregulação do setor bancário, modelo considerado como exitoso por ter conseguido melhorar as práticas e qualidade dos serviços do setor sem a necessidade de intervenção estatal. Para Bicalho, a autorregulação começa, antes de tudo, com o compromisso da alta direção das empresas reguladas. Para ele, é necessário um grande esforço de coordenação e o envolvimento de todos os segmentos interessados. Um dos pontos críticos é a definição do modelo de governança com regras próprias, mecanismos de fiscalização e enforcement. "Não estamos falando de criar uma Anatel for a da Anatel, mas de um modelo em que estas regras possam ser criadas e cumpridas a partir do próprio setor". A palavra chave da autorregulação, diz Bicalho, é credibilidade. Isso é essencial para produzir resultados concretos. "O benefício, do ponto de vista das empresas, é reduzir custos regulatórios e melhorar a imagem e a credibilidade das empresas".

Para José Leça, diretor regulatório da Telefônica, qualquer ação que permita simplificar e reduzir a carga regulatória é positiva, tendo como contrapartida a melhoria da qualidade dos serviços e redução de custos pelas agências. Ele reconhece que cada empresa tem interesses específicos e muitas vezes estes conflitos dificultem o diálogo, mas acredita que é possível um entendimento setorial em direção a um modelo de regulação mais leve e eficiente.

1 COMENTÁRIO

  1. Quanta besteira, a Anatel simplesmente pretende parar de fazer de conta que regula alguma coisa e deixar de vez as operadoras assumirem o controle do setor trazendo tudo aquilo que já estamos cansados de ver: serviços de terceiro mundo(péssima qualidade) com preços de primeiro mundo(caros d+), teremos em pouco tempo preços mais altos com serviço pior onde se inclui a famigerada franquia de dados na internet fixa, reguladora que não faz seu papel deveria ser extinta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.