Depois de uma semana de novas altas nas ações, Telebrás faz comunicado ao mercado

A possibilidade de usar a Telebrás como gestora de uma rede pública de telecomunicações dentro do Plano Nacional de Banda Larga continua gerando transtornos para a estatal no mercado financeiro. Depois de mais uma semana de sucessivas altas em suas ações, o presidente da empresa e diretor de Relações com o Investidor, Jorge da Motta e Silva, encaminhou à Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) um comunicado para tentar pôr fim às movimentações atípicas nas ações. Por ora, a tática funcionou.
Os papéis que vinham se valorizando fecharam em queda no pregão desta segunda-feira, 19. As ações preferenciais se desvalorizaram 7,86%, sendo negociadas a R$ 0,82. Já as ordinárias sofreram queda de 9,41%, com valor de face de R$ 0,77. Mesmo com as quedas de hoje, a valorização expressiva registrada desde o início de outubro não foi revertida. Em 30 de setembro, as ações preferenciais valiam R$ 0,40 e as ordinárias, R$ 0,69. Assim, nas três primeiras semanas de outubro, os papéis preferenciais da companhia já tiveram uma valorização de 105% enquanto as ações ordinárias subiram 11,59%. Na última semana, os papéis da Telebrás registraram altas significativas – na casa dos 15% – diariamente.
No comunicado enviado à Bovespa, Motta esclarece que ainda não há nenhuma decisão oficial sobre a participação da estatal no projeto em discussão no governo e que as movimentações nas ações são especulativas, com base em declarações que autoridades do governo têm emitido sobre o assunto. "A mídia, cumprindo o seu papel, vem divulgando, diariamente, noticias atribuídas a autoridades e técnicos do Governo Federal, dando conta da possível reativação da Telebrás para operar serviço de banda larga no Pais, o que vem provocando atípicas movimentações na Bolsa de Valores (Bovespa), caracterizando clara especulação com os papeis da empresa."
Ainda de acordo com o comunicado, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) tem feito vários pedidos de esclarecimento à estatal sobre as constantes valorizações das ações na tentativa de obter uma informação oficial sobre a participação da empresa no projeto governamental. A ideia de fazer um Plano Nacional de Banda Larga com a participação da Telebrás é sutilmente citada no início do comunicado, após um esclarecimento de que a Telebrás é uma empresa de economia mista onde a maior parte de seu capital está nas mãos da União.
"O objetivo desta introdução é chamar a atenção, em especial, dos acionistas minoritários da Telebrás que, sendo esta companhia controlada pela União, e considerando que, hoje, o acesso a banda larga, pelos seus custos e dificuldades operacionais para assistir as populações menos favorecidas, que vivem em regiões distantes dos grandes centros urbanos brasileiros, passou a ser um grande desafio político, técnico, econômico e jurídico a ser superado", declara Motta. O presidente da estatal promete ainda que, tão logo haja um posicionamento oficial sobre o futuro da estatal, a informação será imediatamente comunicada ao mercado. Veja abaixo a íntegra do documento encaminhado à Bovespa:
(19/10) TELEBRAS (TELB) – Esclarecimentos relativos a movimentações atípicas
DRI: Jorge da Motta e Silva
Enviou o seguinte Comunicado ao Mercado:
"O Estatuto Social da Telecomunicações Brasileiras S.A., define, em seu artigo 1o, que a TELEBRAS "é uma sociedade anônima aberta, de economia mista, vinculada ao Ministério das Comunicações (…)", cujo parágrafo único indica como seus regentes a Lei das Sociedades por Ações, disposições especiais de Lei Federal, Estatuto e outros dispositivos legais aplicáveis.
Sua finalidade social, em síntese, e explorar serviços públicos de telecomunicações que, em passado recente, era por intermédio de um conjunto de empresas integrantes do extinto Sistema TELEBRAS, tendo a União como acionista majoritário e o Ministério das Comunicações como supervisor, o que, do ponto de vista societário tem, por forca de sua forma de criação, o capital social misto, com a presença majoritária do Estado.
Trata-se, assim, de uma sociedade de economia mista, criada por lei, com personalidade jurídica de direito privado, com o objetivo de exploração de atividade econômica, cujas ações com direito a voto pertencem majoritariamente ao poder publico.
O objetivo desta introdução e chamar a atenção, em especial, dos acionistas minoritários da TELEBRAS que, sendo esta Companhia controlada pela União, e considerando que, hoje, o acesso a banda larga, pelos seus custos e dificuldades operacionais para assistir as populações menos favorecidas, que vivem em regiões distantes dos grandes centros urbanos brasileiros, passou a ser um grande desafio político, técnico, econômico e jurídico a ser superado.
A mídia, cumprindo o seu papel, vem divulgando, diariamente, noticias atribuídas a autoridades e técnicos do Governo Federal, dando conta da possível reativação da TELEBRAS para operar serviço de banda larga no Pais, o que vem provocando atípicas movimentações na Bolsa de Valores (BOVESPA), caracterizando clara especulação com os papeis da Empresa.
O Diretor de Relações com Investidores da Companhia – DRI, obviamente não tem como conter as opiniões dessas autoridades, embora venha respondendo a recorrentes questionamentos da CVM, informando sempre que desconhece a existência de projetos, ate porque, não e formulador de políticas publicas de Telecomunicações e, consequentemente, só pode atuar junto ao Mercado levando informações com base em fatos concretos, o que não vem ocorrendo.
Por sua forte conotação política, inclusive com a constatação de divergências sobre a matéria, entre setores do próprio Governo, ainda assim, vem procurando diligenciar para obter informação oficial sobre a questão, o que não tem conseguido ate agora, sendo-lhe impossível proibir ou calar os que se pronunciam sobre matéria de tamanha relevância, ate mesmo por razões hierárquicas.
O que a TELEBRAS pretende com a divulgação deste COMUNICADO, face ao grande interesse sobre o assunto, e informar ao publico em geral, especialmente aos acionistas, que o DRI da TELEBRAS, havendo motivação ou fato concreto que justifique, imediatamente procedera a imprescindível diligencia e publicara, pelos meios legais, o necessário FATO RELEVANTE, que e o ato competente para informar ao Mercado, com transparência e respeito, qualquer evolução, seja positiva ou negativa, com relação ao futuro da Empresa, dentro das regras específicas que regem as relações com investidores."

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.