Participantes de encontro se preocupam com gargalo das redes banda larga

Existe uma discussão crescente sobre a capacidade que as empresas de telecomunicações terão de atender à demanda crescente por banda larga. A percepção de 51% dos participantes da NXTComm, maior evento de telecomunicações dos EUA, que aconteceu esta semana em Las Vegas, é de que em dois anos a infra-estrutura atual deixará de dar conta da demanda. Trata-se de uma pesquisa feita pela Tellabs e pela IDC durante o evento. Para 32% dos pesquisados, a solução é policiar os agressores de tráfego. O problema é que a mesma pesquisa aponta os serviços de vídeo como a principal fonte de estrangulamento da rede, com 75% do peso em cinco anos, e ninguém acha que as redes podem deixar de trafegar vídeo.
Na opinião de uma das principais empresas fornecedoras de sistemas ópticos, a Infinera, o mundo está voltando a viver uma situação de gargalo no tráfego de dados, semelhante à que se viveu no final dos anos 90. Para Jagdeep Singh, CEO da empresa, o problema é, contudo, mais grave, porque passa pela falta de alternativas tecnológicas para atender à demanda. "Há oito anos discutimos a tecnologia OC-768, para elevar a capacidade de transmissão de um comprimento de onda para 40 Gbps. E até hoje não implementamos, simplesmente porque não é economicamente atrativo". Ele diz que as empresas têm preferido agregar módulos aos sistemas antigos. "No ritmo atual de crescimento de demanda, vai ficar impossível manter os equipamentos atuais, a energia consumida, a mão de obra necessária. A tecnologia que temos hoje simplesmente não é suficiente". Ele lembra também que as principais empresas fornecedoras estão gastando muito menos em pesquisa e desenvolvimento em relação ao que gastavam antes. "Todos têm o mesmo portfólio, se preocupam apenas em ter o que o concorrente tem. Sem inovação, quebra-se o ciclo virtuoso de desenvolvimento". A palestra completa de Jagdeep Singh durante a NXTComm está disponível na home-page do site TELETIME.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.