Perpétua Almeida presidirá subcomissão do 5G da Comissão de C&T da Câmara

Conforme antecipado pelo TELETIME, a deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) foi eleita nesta quarta-feira, 19, presidente da subcomissão que acompanhará a implementação da tecnologia 5G no Brasil. O deputado Vitor Lippi (PSDB-SP) será o relator do colegiado. A subcomissão é vinculada à Comissão de Ciência e Tecnologia (CCTCI) da Câmara e foi instalada oficialmente nesta quarta-feira, 19.

Segundo presidente da CCTCI, deputado Aliel Machado (PSB-PR), Almeida e Lippi já vêm realizando um trabalho de acompanhamento da quinta geração da telefonia móvel no Brasil em um grupo de trabalho criado no âmbito da Câmara.

"Agora os dois parlamentares vão também centrar esforços nessa subcomissão. No momento em que estamos vivendo uma pandemia, em que a Internet se torna essencial, implementação do 5G não é apenas uma nova tecnologia, significa também uma mudança de acesso à tecnologia em muitas áreas não atendida", afirmou o Machado.

Notícias relacionadas

O deputado Vitor Lippi agradeceu a indicação para relator da subcomissão e lembrou da importância do 5G para o Brasil. "Quero agradecer a todos, especialmente a deputada Perpétua por ser indicado para relator. Esse é um tema estratégico para o país. E hoje não nenhuma possibilidade de desenvolvimento social e econômico sem conectividade. Ela é um fator que pode reduzir as desigualdades regionais do Brasil", afirmou o parlamentar.

Lippi enfatizou ainda que a nova tecnologia pode ser determinante para a garantia de empregos e mais oportunidades para o país.

Na ocasião, o deputado General Peternelli (PSL-SP), lembrou que nesta quarta-feira, 19, pela manhã, a Comissão de Educação (CE) discutiu que as escolas não podem ser desconectadas, além de discutir a possibilidade de acesso a determinados sites gratuitos, sem cobrança de franquia de conectividade.

Vale lembrar que o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) e relator do edital do 5G, Raimundo Carreiro, confirmou que deverá incluir em seu voto e, consequentemente, no acórdão, a determinação que o edital inclua o atendimento às escolas públicas. A afirmação ocorreu durante um acalorado debate na audiência pública extraordinária conjunta das comissões de Educação e do Grupo de Trabalho do 5G nesta terça-feira, 18. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.