Publicidade
Início Newsletter Sob observação na Anatel, autorregulação das teles precisa mostrar resultados

Sob observação na Anatel, autorregulação das teles precisa mostrar resultados

Foto: Pixabay

O sistema de autorregulação das telecomunicações (SART), uma iniciativa criada no ano passado e que envolve as operadoras Algar, Claro, Oi, TIM e Vivo, está ainda sendo avaliado pela Anatel. Isso porque, apesar de resultados iniciais promissores com a plataforma Não Me Perturbe, estaria havendo agora uma volta no crescimento do índice de reclamações de ligações indesejadas.

A avaliação de superintendente de planejamento e regulamentação da agência, Nilo Pasquali, sobre o próprio SART segue recentes manifestações de outros dirigentes da Anatel: ainda é preciso um monitoramento para ver os resultados. Ele também ressalta que a iniciativa ainda não é uma autorregulação “pura”. “Para ser modelagem de eficiência de autorregulação, o setor encontra os problemas, resolve ele mesmo e pune os agentes. Nessa fase é possível para o regulador deixar de regular muita coisa. Não estamos neste momento“, disse ele em evento online do portal Tele.Síntese nesta sexta, 19.  

“Gostaríamos que o modelo de autorregulação funcionasse. Estamos acompanhando muito de perto, otimistas com a modelagem, mas tem que mostrar resultados”, avalia.

Notícias relacionadas

Para o superintendente, o projeto Não Me Perturbe precisa mostrar um retorno de longo prazo. “Estamos acompanhando, foi uma iniciativa super bem vinda, com muita efetividade logo de largada”, diz. Mas há agora a observação: “a gente percebe um ligeiro aumento, e isso levanta uma bandeirinha amarela para entender o que precisa ser feito. Tem que ser uma linha de forma ágil, precisamos resolver os problemas. A ‘pegada’ da Anatel é tentar sentar com o setor para resolver da forma mais ágil”.

Para a diretora de assuntos regulatórios da Oi, Adriana da Cunha Costa, a plataforma do Não Me Perturbe trouxe um tema grande, o do teleatendimento indesejado, e que foi expandido para outros setores. “Foi uma evolução muito grande. Deu um soluço, tem que corrigir, mas estamos amadurecendo. Também vejo com otimismo“, destacou.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile