Deputada quer suspensão de dívidas por inadimplência durante crise do coronavírus

No contexto da crise do coronavírus (covid-19), a deputada Talíria Petrone (PSOL-RJ) apresentou nesta quinta-feira, 19, o PL 708/2020, que prevê a alteração do Código de Defesa do Consumidor (CDC – Lei 8078/1990) para suspensão temporária de dívidas por inadimplência. A proposta é que dívidas decorrentes de inadimplência por caso fortuito ou força maior de alcance nacional sejam suspensas, temporariamente, sem a cobrança de multa, juros e outras sanções. O período previsto no projeto é de 120 dias, ou por até 30 dias após o término das medidas de restrição de circulação em vigor. O deputado Glauber Braga (PSOL-RJ) também assina do PL.

Segundo a deputada, a pandemia tem imposto à população restrições de circulação, porém nem todos têm a oportunidade de realizar teletrabalho (home office). A orientação que proíbe a mobilidade social é uma recomendação da Organização Mundial de Saúde. Segundo o órgão, apenas com o isolamento da população se poderá conter a curva de contaminação das pessoas pelo vírus. "As restrições de circulação para o grande número de profissionais – o Brasil possui hoje mais de 40 milhões de trabalhadores informais – gera perda significativa de recursos financeiros", diz a deputada.

"Milhares de pessoas, especialmente aqueles no grupo de maior risco – os idosos – não conseguem realizar pagamentos por telefone ou por meio de recursos eletrônicos. Exigir que estas pessoas se dirijam a bancos e casas lotéricas neste momento para que não tenham serviços cortados seria desobedecer às recomendações da OMS", justifica a parlamentar no projeto.

Notícias relacionadas

As medidas já adotadas

No setor de telecomunicações, as operadoras brasileiras de alguma forma já estão tomando medidas, cada uma a sua maneira, em várias frentes, tanto nos serviços de banda larga, TV por assinatura, serviços móveis e corporativos, com flexibilização de planos e ofertas gratuitas, de acordo com as possibilidades de cada uma e com as questões contratuais.

O ponto da cobrança, objeto do projeto de lei da deputada do PSOL, porém, ainda está em discussão. Em conversas preliminares travadas entre Anatel e operadoras, está na mesa a proposta de que para se ter alguma suspensão das cobranças devidas por seus clientes, é preciso discutir um eventual escalonamento do pagamento do Fistel (cerca de R$ 3 bilhões) em março. Isso poderia servir como um subsídio de alguns casos de inadimplência dos clientes nestes tempos restritivos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.