FOA discute redes privadas de 4G e espaço para operadoras alternativas

A construção de redes privadas em telefonia móvel é uma tendência que está começando no 4G e deve ganhar força no 5G. Trata-se de levar cobertura para o atendimento especifico a determinados ambientes corporativos, como fábricas e fazendas, ou mesmo para certos serviços públicos. Um exemplo brasileiro que chama a atenção é o do governo de Pernambuco, que vai construir uma rede própria em 4G na faixa de 2,5 GHz para uso de seus agentes públicos, como policiais e bombeiros – a implementação acontecerá neste ano, sob a responsabilidade de um consórcio liderado pela Embratel.

O surgimento de redes privadas em 4G e 5G será tema de painel do Fórum de Operadoras Alternativas, evento organizado por Mobile Time e Teletime que acontecerá no dia 2 de abril, no WTC, em São Paulo. Estão confirmados como painelistas: Hélio Maurício Miranda da Fonseca, gerente de projetos do departamento de banda larga do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC); Romero Guimarães, diretor de TI e transformação digital da Agência Estadual de Tecnologia da Informação de Pernambuco; e Wilson Cardoso, CTO da Nokia Networks.

O seminário contará também com painéis sobre MVNOs e sobre a infraestrutura nacional de IoT, além da apresentação de uma série de cases de soluções que usam novas redes sem fio. Entre os palestrantes confirmados há diretores de empresas como Embratel, Vivo, American Tower, WND, Americanet, dentre outras.

O evento também aborda cases de operadoras que expandiram a sua atuação regional a partir de modelos de negócio inovadores, como o da Brisanet, que será apresentado por seu seu CEO e fundador, José Roberto Nogueira.

A agenda atualizada e informações sobre venda de ingressos estão disponíveis no site www.operadorasalternativas.com.br, ou pelo email eventos@mobiletime.com.br, ou pelo telefone 11-3138-4619.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.