Exército cobra manutenção de espectro após Anatel sinalizar revogações

Foto: Exército Brasileiro/Flickr

A revogação de resoluções sobre espectro proposta pela Anatel na esteira das decisões tomadas na Conferência Mundial de Radiocomunicação de 2019 (WRC-19) acendeu uma luz de alerta no Exército Brasileiro.

Em contribuição à consulta pública nº 78, as Forças Armadas se opuseram à extinção de uma norma (a resolução nº 625, de 2013) que garante 5+5 MHz entre 698 MHz a 806 MHz para o uso da Defesa Nacional em serviços de PPDR (Public Protection and Disaster Relief).

Segundo o Departamento de Ciência e Tecnologia do Exército (DCT/EB), esse espectro em 700 MHz já é utilizado tanto pelas Forças Armadas quanto pelo Gabinete de Segurança Institucional da Presidência (GSI), provendo inclusive serviços de voz e dados LTE/4G através de estações radiobase no Plano Piloto de Brasília.

Ainda de acordo com o departamento, a faixa é estratégica para os planos de centralização, futura padronização e maior "experiência prática de uso" do espectro utilizado por forças de segurança pública de todo o Brasil. Essa pretensão foi declarada por meio de possibilidade de parceria público-privada (PPP) estabelecida pelo Decreto nº 10.101/2019.

"Pelo exposto, não se mostra coerente com a política pública estabelecida pelo Governo Federal […] que a Anatel retire a vigência da faixa de 5+5 MHz já estabelecida", afirmou o chefe de tecnologia da informação e comunicações do DCT/EB, Luisir Gaspar, em contribuição à consulta.

Em uma segunda manifestação do DCT, o órgão argumentou que países como Austrália, Canadá, Cingapura, China, Chile, EUA e Catar disponibilizam 10+10 MHz para uso no PPDR, já tornando paradoxal a atual destinação de apenas 5+5 MHz para a função no Brasil.

SRDT

Em paralelo, o DCT do Exército também se colocou contra outras duas revogações previstas na consulta pública nº 78. Uma delas é a da resolução nº 633/2014, que destina a faixa de 4,910-4,990 GHz para aplicações de segurança pública e Defesa Civil, inclusive em Serviço Limitado Privado (SLP)

A segunda, a resolução nº 455/2006, que aprovou a canalização e condições nas faixas de 460 MHz, 800 MHz e 900 MHz para serviço móvel privativo e especializado. Segundo o departamento de tecnologia, os regulamentos suportam o uso no Sistema de Radiocomunicação Digital Troncalizado (SRDT) do Exército.

"O sistema possui uma infraestrutura instalada de 72 sites e um parque de mais de 23 mil transceptores distribuídos em todo o território nacional", notou Luisir Gaspar. "O Exército Brasileiro já faz uso de 36 canais na faixa de 800 MHz para a comunicação entre a Estação Rádio Base e os Terminais, além de canais na faixa 4,9 GHz". Ao invés da revogação, o DCT entende que "será necessária a utilização de um maior número de canais, tanto na faixa de 800 MHz quanto na faixa de 4,9 GHz".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.