GSMA: reforma tributária com CBS colocaria em risco indústria móvel no Brasil

Para a associação global da indústria móvel GSMA, a proposta do governo brasileiro de criar a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), que unifica o PIS e Cofins em única contribuição com alíquota de 12%, acabaria sendo prejudicial para o setor de telecomunicações. Conforme aponta o anexo ao relatório "Tributação do Setor Móvel no Brasil – Apoio à Transformação Digital", produzido pela Ernst & Young a pedido da entidade, as empresas já tratavam as contribuições em conjunto, e por isso não haveria efeito de redução de complexidade. E a unificação acabaria por aumentar "significativamente" a carga tributária total do setor.

Assim, a GSMA entende que a possível criação da CBS não seria uma simplificação tributária, mas sim um risco para usuários, transformação digital e economia. "A CBS enfraqueceria a lucratividade das operadoras móveis e aumentaria os preços efetivos para os consumidores, reduzindo a capacidade de investimento e o consumo de serviços móveis, respectivamente. Isso teria vários impactos no mercado de telefonia móvel, incluindo redução da receita e crescimento mais lento da cobertura, bem como efeitos mais amplos na economia, como a redução do crescimento do PIB e a consequente redução da contribuição tributária", diz a entidade. 

De acordo com a associação, a indústria móvel apoia a proposta de emenda à constituição (PEC 45/2019), que visa substituir cinco tributos em apenas um imposto sobre operação de bens e serviços (IBS), com alíquota única final com a soma das alíquotas federal, estadual e municipal. O entendimento é que a aprovação dessa PEC criaria condições iguais para todos os setores e estaria alinhando o Brasil às recomendações do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Notícias relacionadas

Essa redução de impostos em apenas um imposto sobre valor adicionado (IVA) com alíquota única facilitaria os cálculos tributários pelas operadoras e a administração de pagamentos e realização de atividades relacionadas. Com essa redução de encargos administrativos e financeiros, seriam liberados "fundos que poderiam ser usados para fins de investimento", alega a GSMA. O fundamental, ressalta, é que a alíquota fixada no IBS não aumente a carga tributária do setor, que já é alta e corresponde a 38% da receita anual das operadoras.

Regulatório

Além da simplificação dos impostos, o estudo da GSMA aponta que as taxas regulatórias e o preço de espectro deveriam ser definidos com base na recuperação de custos. "Como essas taxas podem distorcer a produção e aumentar os preços, as taxas regulatórias e o preço do espectro não devem ter cunho arrecadatório", destaca. A recomendação está em linha com o antigo pleito das operadoras brasileiras de que o leilão de 5G não tenha viés arrecadatório, mas de investimento em infraestrutura e cobertura.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.